Siga por email

TRANSLATE HERE

segunda-feira, 13 de junho de 2011

BUENOS AIRES NÃO É MAIS A MESMA


Esqueça a Buenos Aires da Calle Florida, onde dançarinos de tango se esmeravam nos passos elaborados para surpreender visitantes de primeira viagem.
Esqueça a Buenos Aires das estátuas vivas.
Esqueça a Buenos Aires onde só se comia bem em Puerto Madero.
Esqueça a Buenos Aires das lojas de couro lotadas de brasileiros.
Tudo isso ainda anda por lá, mas você não vai perder tempo com o que provavelmente já conhece. E, confesso, nem é mais tão romântico assim.

Acho que 90% dos brasileiros se hospedavam nas redondezas, isso quando não se instalavam na própria Calle Florida. Ali, no buxixo mais efervescente, inalavam um ar europeu, sublinhado pelos cafés, segurança e arquitetura.

Há dois anos estivemos por lá, era Dezembro, um calor infernal e um emaranhado de brasileiros fuçando pechinchas. Estivemos em Palermo, um bairro que prometia muito, mas não cumpria nada. E chovia.

Agora, fomos conferir a promessa que Palermo nos devia. Entre a Recoleta e Palermo decidimos ficar em Palermo Soho (sugestão da Lucia). Procuramos um hotel charmoso, a maioria em casarões reformados e aconchegantes, sem elevador. Na última viagem à Europa esgotei a cota de casarões reformados e aconchegantes, sem elevador. O Soho All Suites instalado num prédio reformado, com instalações modernas e café da manhã, tinha de excepcional a localização: Calle Honduras 4762, entre Malabia e Armenia. Melhor parecia impossível. (O hotel fechou, hoje é quase um hostel)

Soho All Suites
O Soho All Suites não é tudo aquilo que aparece nas fotos. É um hotel simples, com bom banho, toalhas e lençóis limpos, cama confortável e equipe simpática e atenciosa. Está certo que no café da manhã de sábado o cream cheese tinha acabado, e no domingo o fornecedor não entregou a manteiga (e o hóspede com isso?). Não ficamos mal instalados, dá para voltar. Detalhe: nos andares mais altos o preço também sobe.

Ficar em Palermo Soho foi o maior acerto. Está tudo ali, restaurantes, lojas, bares, gente bonita, vida noturna, o que se pretende encontrar numa cidade boêmia como Buenos Aires. Só andar pela rua já é uma festa.

Las Oreiro tem vestidos incríveis
Las Oreiro é uma loja super charmosa que vende roupas tentadoras. Calle Honduras entre Malabia e Armenia. 

Na Calma Chicha encontrei o couro para a minha cadeira Butterfly. As opções eram tantas que trouxe dois. Depois lembrei do “dá-me dos”, bordão argentino há anos nem tão distantes e economia forte do lado de lá. As almofadas da Calma Chicha são fotografadas para revistas de decoração, tapetes de couro de vaca, bolsas rústicas e outros afins. Calle Honduras 4909. Peça o comprovante para o Tax Free.

Poucas lojas tem Tax Free, mas vale a pena. Eles devolvem cerca de 17% e o mínimo para compras na mesma loja é 70 pesos

Escolhemos o Little Rose para o jantar da primeira noite. Novo acerto! No segundo andar de uma casa antiga, bem discreto, ao lado do Bar 6 que é hiper badalado. Tem que tocar a campainha. A falta de reserva não foi impedimento, afinal era cedo para os padrões portenhos. Subimos a escada e entramos num ambiente à meia luz, sofisticado, com pessoas falando baixo, garçons jovens circulando discretamente, coisas raras em sertões cariocas. Pedimos vinho branco, um tiradito de salmão de entrada (sugestão do garçom) e um combinado de 28 peças delicioso. Voltamos caminhando para o hotel, uma distância de apenas um quarteirão. O Little Rose fica na Calle Armenia 1672. (Conferir se está aberto)

Em Buenos Aires, sempre reservo um tempo para ir à loja da Guido – Calle Quintana 333. Os mocassins são chiquérrimos, só encontrados em São Paulo, na Cometa do Shopping Iguatemi. Assim mesmo, em São Paulo, são poucas as opções para pés femininos. A loja da Recoleta é linda, os sapatos são maravilhosos, nunca saio de pés vazios. Eles têm loja na Calle Florida, mas prefiro a da Calle Quintana, mil vezes.

Guido Mocassins
Tomamos um café na Nespresso antes de caminhar poucos metros até o Buenos Aires Design.

Sentamos na varanda do Tucson para tomar uma Quilmes (a cerveja argentina) e comer nachos. O solzinho de inverno aquecia na medida certa.

A Morph é uma loja bacaninha no Buenos Aires Design. Objetos divertidos e funcionais. Uma filial no novíssimo Shopping Dot acabou de ser inaugurada.

A Prototype tem roupas masculinas para jovens de idade e espírito. Casacos de couro lindos, camisas e camisetas estilosas. É mais uma loja com Tax Free.

O jantar foi no hiper recomendado Osaka. Reservamos, mais uma vez chegamos cedo para os padrões portenhos (21h), e nos receberam com uma mesa no segundo andar. Não gostei. No primeiro andar, poucos clientes; no segundo andar, nenhum. Bati pé e descemos. A irritação acabou quando provamos a primeira sugestão da degustação proposta pelo garçom: tiraditos. Em seguida, a degustação de ceviche e o terimaki de salmão. Perfeito. 


Tiraditos do Osaka
O Osaka é um restaurante peruano oriental, a mistura dá muito certo. Vinho branco gelado e uma conta meio salgada para os argentinos. Quando saímos, o restaurante estava lotado e com fila na porta. Calle Soller 5608 esquina com Fitzhoy. Fomos de táxi. Tem filial em Puerto Madero, mas essa é mais charmosa.

No terceiro dia fomos conhecer o Shopping Dot, atraídos pela loja da Lindt. Fica longe prá chuchu! Passa por Belgrano e vai embora. Descobrimos um parque maravilhoso e quilométrico ao longo do caminho. É ali que os portenhos se exercitam.

O Dot é um shopping bonito, mas não valeu a pena. A maioria das lojas tem filial em Palermo. Os preços da loja da Lindt são altíssimos, muito mais caros do que o free-shop. Voltamos sem chocolate.

Como era sábado, resolvemos dar uma olhada no movimento da Calle Florida. Lotada de camelôs peruanos e bolivianos, sem espaço para os bailarinos de tango, com homens enjoadíssimos entoando cansativos pregões: “câmbio” “câmbio” “couro” “couro”, e quase nos arrastando para dentro das lojas, a Florida perdeu seu antigo encanto. Sobrou a arquitetura dos prédios e a sorveteria Abuela Goye.

O Crizia era outro restaurante bem recomendado. Não chegamos com fome, já que o sorvete distraiu nosso apetite, mas a comida é tão gostosinha que devoramos o risotto branco parmesano e o raviolli de mozzarella. Dessa vez, o vinho foi tinto, um Malbec. A lareira quase foi acesa, mas, na verdade, não estava tão frio assim. Calle Gorriti 5143. Fomos de táxi.

Em Buenos Aires o teatro é tradição. Várias e ótimas peças em cartaz são encontradas nos teatros da Calle Corrientes. O Teatro Colón com seu repertório clássico e atual. Os shows de tango do Senor Tango, do Viejo Almacén, do Café Tortoni (prefiro o do andar do restaurante), do Canta Quatro (antigo Esquina Gardel), do Los Angelitos e outros tantos, pipocam atraindo turistas para a noite que não acaba. Alguns espetáculos da Broadway são montados por lá com muita competência, com atores que sabem o seu ofício e tem prazer nele.

O Ticketek é o site de compras pela internet, assim como o Ingresso.com. Nós telefonamos para efetuar a compra e depois pegamos os tickets no Shopping Abasto (eles têm outros pontos de entrega). www.ticketek.com.ar

A loja de discos ao lado do Teatro Lola Membrives, onde vimos o musical Chicago, tem coisas do “arco da velha”. Cds e Dvds de todo o mundo. Disqueria – Calle Corrientes 1274.

Depois do teatro resolvemos esticar como os portenhos. O táxi rumou para o Jânio, um barzinho que só fecha às 4 e meia da manhã. Tempo suficiente para o Campari Orange e o Barley´s Shake. Calle Malabia 1805. Até o hotel, um quarteirão, pouco mais.

O Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires, MALBA, tem um acervo que vale muito a pena visitar e excelentes exposições temporárias . Lá vimos a exposição de Andy Wharol, que circula pelo mundo. É um prédio moderno, com instalações impecáveis, acessibilidade e um restaurante muito gostoso no térreo, o Café des Arts, dirigido pelo Chef Jean Paul Bondoux. Presidente Figueroa Alcorta, 3415, Palermo. Tel: 11 48080754. 

Domingo é dia de San Telmo!

Vendedor de espanador
Cheios de razão
Charme
San Telmo
Lojinha em San Telmo
A Feira de San Telmo continua tão gostosa como há 22 anos quando visitamos Buenos Aires pela primeira vez. 

É um mar de gente circulando, gente de toda a gente. A maior diferença são os restaurantes, agora de alto nível, como o Sagardi.


Quem conhece Barcelona provavelmente conhece o Sagardi, com seus pintxos dos zeuzes! Impossível comer um ou dois. Vale a pena engordar pelo pintxo do Sagardi. A casa de Buenos Aires é bem maior do que a de Barcelona, e mais metidinha. Na frente, o famoso balcão onde desfila a tentação. Nos fundos, o restaurante tradicional com comida catalã. Gosto de sentar nos bancos altos do balcão e tomar o chopp alemão Warsteiner  geladérrimo! Você escolhe o pintxo e deixa o palitinho no prato. No final, o garçom calcula o valor da conta pelo número de palitos. Simples assim. Sagardi - Calle Humberto 1, tel: 1143612538.

Na rua, a orquestra com 4 bandoneons, 3 violinos, 1 cello e piano tocava tangos maravilhosos valorizados pela bela voz do cantor.  

Orquestra em San Telmo
A Feira de San Telmo está maior, não há mais espaço no meio da praça para os dançarinos de tango. Eles se espremem em tabladinhos aqui e ali, uma pena.
Nas ruas que desembocam na praça, dezenas de lojinhas de design, de roupas descoladas e antiquários. O rapazinho vestido a caráter pedala a bicicleta carregando a cesta cheia do fofíssimo “pan relleno”. Não dá para resistir.


O sorvete Freddo, tradição de Buenos Aires, era outra coisa por que valia a pena engordar. Daí, a família vendeu a marca e, por contrato, se afastou da fabricação de sorvetes por cinco anos. O prazo acabou e a família voltou ao mercado com a marca Persicco. El helado tiene que volver a ser rico.” Espalhados por toda a cidade, a loja de Palermo Soho fica na esquina de Calle Honduras com Gurruchaga.


Jantamos no Mott, muito simpático, elegante informal. Sem muita fome, de novo por causa do sorvete, pedimos uma degustação de entradas e um vinho Chardonnay. Perfeito. Calle El Salvador 4685.

Mott e lojas em Palermo Soho
Não tínhamos provado ainda a famosa carne argentina. Com várias passagens pelo Cabana Las Lilas, em Puerto Madero, dessa vez deixamos para experimentar o ojo de bife do La Cabrera. Um fila enorme na porta, quase nos fez desistir, mas a champagne, a simpatia da hostess, e a promessa de um almoço inesquecível, nos convenceu a esperar. Decisão acertada. O Ojo de Bife Mariposa vem escoltado por potinhos pequenos: purê de maçâ, creme de espinafre, creme de abóbora, e outros purês, cremes e molhos. Dividimos o flan com sorvete com o casal texano desconhecido da mesa ao lado. O "cowboy" me cutucou atrás do biombo que separa as mesas: "Do you want flan?". Como assim? "My wife asked flan, but she can´t eat everything. Do you want flan?" A gula ainda vai acabar comigo. Comi a metade do flan da americana. Coisas de viagem... La Cabrera – Calle Cabrera 5099. Tel: (54 11) 48325754. www.lacabreragrill.com.ar.


La Cabrera
Ao lado do La Cabrera fica o Marcelino & Garcia, uma graça. Quem vai ao La Cabrera ganha desconto de 20% nas massas do vizinho. Calle Jose A. Cabrera, 5065. Palermo Soho. www.marcelinaygarcia.com.ar

Marcelina & Garcia
Cluny - restaurante em Palermo Soho
A noite era de milonga na Confiteria Ideal, uma antiga e linda Confeitaria na Calle Suipacha 380, quase esquina com Corrientes, no Centro. Lá, no máximo até 21h, os portenhos dançam a milonga. Mulheres de um lado, homens de outro, de todas as idades e tamanhos, se comunicam apenas com os olhos e saem dançando com elegância. Me senti parte do maravilhoso filme do Scola, Le Bal. Minutos antes da música final, as cinderelas trocam os sapatinhos de cristal por tênis surrados. A vida continua.

Salão da Confiteria Ideal
O Bar 6 ficou para depois da milonga. É um lugar gostosinho, mais pela fama que o cerca. O carpaccio era mergulhado em azeite, fora do ponto. Calle Armenia 1676.

De volta ao hotel para arrumar as malas, tivemos a certeza de que muito, muito em breve, lá estaríamos de novo.

Outros endereços.

Casa Chic – uma graça, objetos de decoração, livros, roupas descoladas e chiques. Perfeito para comprar aquele presente especial. Calle El Salvador 4786

Casa Chic
Akiabara – gosto muito das roupas de lá. As vendedoras, aliás, como em toda Buenos Aires, são despreparadas, mas quando a gente gosta do que vê nas araras, releva. Calle Honduras.4865. Palermo Soho.
Complot – roupas femininas. A vendedora brasileira fez a diferença. Calle El Salvador 4731. 
Van Domselaar – roupas de festa que vestem bem. Calle Gurruchaga 1580. Também fechou, infelizmente.
Caldén Del Soho – restaurante simpático na esquina de Malabia com Honduras.
Lo de Jesus - restaurante. Gurruchaga 1406. 11 48311961. (leia sobre ele no post "Buenos Aires não é só tango!"). A cor é bonita, mas a carne é dura.

Lo de Jesus - restaurante em Palermo Soho
Elementos Argentinos – tapetes, colchas, almofadas em tear e lã – Calle Gurruchaga 1881.
Reina Batata – coisas de casa e decoração, muito charmosa e bem humorada – Calle Gurruchaga 1859


Sabateria Hermanos – fabrica de “jabones”, lindos e perfumados. Calle Gurruchaga 1821.
Nike – Calle Gurruchaga 1615, esquina com Honduras.
Infinitas Sensaciones – objetos de design – Calle Honduras 4659.
La Folie – roupas deliciosas para crianças – Calle Malabia 1672

ONDE COMER

Havanna – os deliciosos alfajores, o café com toque de chocolate, tudo na Calle Armenia 1788. Palermo Soho
Cupcake Muma´s – Calle Malabia 1680. Palermo Soho.
Sipán - segundo o caderno Boa Viagem de O Globo, é o melhor peruano de Buenos Aires. Experimente o nigiris de salmão com molho de mel e maracujá. Calle Paraguay 624.  Centro. www.sipan.com.ar
Hernán Gipponi - também indicado pelo Boa Viagem, o Chef Hernán Gipponi procura usar ingredientes locais, frescos. O menu executivo do almoço (amuse bouche, entrada, prato principal, pré sobremesa e sobremesa a 100 pesos) tem preço bem mais acessível do que os quase 200 pesos do menu degustação do jantar. Nos finais de semana, o brunch (120 pesos por pessoa) é concorrido. Faça reserva. Soler, 5862. Tel: 11 32206820. hgrestaurant.com.br. Palermo Hollywood.
El Baqueano - em San Telmo oferece um menu degustação a 165 pesos. Indicadíssimo. Chile, 495. Tel: 11 43420802. restoelbaqueano.com
Tegui - o Chef German Martitegui comanda o Casa Cruz e o Olsen. O Tegui é o seu mais novo investimento e talvez o melhor. O menu desgustação de oito etapas custa 350 pesos, sem bebida! Costa Rica, 5852. Palermo Hollywood. Tel: 11 52913333.
El Pobre Luis - o ojo de bife, que eu adoro, custa 45 pesos. Calle Arribenos, 2393. Belgrano. Tel: 11 47805847. É melhor reservar, está sempre lotado.
Don Julio - é um restaurante que está sendo descoberto pelos brasileiros. O ojo de bife chico custa 53 pesos. Guatemala, 4699. Tel: 11 48319564. Palermo Soho.
La Cátedra - um clássico de Palermo esse restaurante tradicional serve carnes, massas, saladas e bons vinhos. Avenida Cerviño 4699.
La Locanda - um charme italiano na Recoleta tem somente 30 lugares, mas no verão há mesas ao ar livre. Abre de terça a sabado para almoço, de 12 às 16h e jantar de 20 à meia noite. Aos domingos só almoço. Calle Pagano 2697. Reservas: 48066343.

UTÉIS

Guia Óleo – classifica e comenta os restaurantes de Buenos Aires.

Tickets BSAS - onde você encontra entradas para espetáculos de teatro e música com até 50% de desconto. De quarta a domingo, de 11h às 20h. Calle Cerrito com Diagonal Norte, bem no Obelisco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe sua opinião conosco! Deixe seu comentário e sugestões, nós vamos adorar!