Siga por email

TRANSLATE HERE

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

TOUJOURS PARIS

Paris é uma festa, alardeava Hemingway. E que festa! Woody Allen em seu delicioso e provocante "Meia Noite em Paris" enaltece ainda mais o poder que a cidade-luz emana século após século.
Pois, sempre que podemos, aceitamos o apelo sedutor e corremos para festejar. Existe lugar mais delicioso para flanar?

Saimos de Barcelona debaixo de chuva. A Air France pousou seu aviãozinho na pista e nem um guarda chuva providenciou para os pobres e encharcados passageiros.

Passageiros da Air France na chuva
Desembarcamos em Orly, depois de 1 hora e 15 minutos de vôo, sob uma tempestade de filme de terror. O taxista nos deixou no meio da Rue Oberkamph e partiu. Com providenciais guarda-chuvas comprados em Carcassone, deslizamos nossas pesadas malas à procura do apartamento onde ficaríamos.

Paris é dividida pelo Rio Sena, de um lado fica a Rive Droite, do outro a Rive Gauche. Nesta viagem, ficamos num apartamento na Rive Droite, nos arredores da Place de la Republique, bem perto do Metro Parmentier, numa ruazinha transversal à badalada Rue Oberkampf. Esperamos a chuva passar e saímos para jantar no Chez Charbon - 109, Rue Oberkampf. Não era nada especial.

Como de costume, compramos o Pariscope – a revista sai toda quarta com a programação da semana. É bom consultar os horários de museus, passeios, atrações, teatros, cinemas, porque eles funcionam nas horas mais estranhas.

Se for ficar de segunda a segunda vale a pena tirar o passe do Metrô, a Carte Navigo, que substituiu a Carte Orange. Dá direito a fazer quantas viagens quiser. Eles informam nas próprias estações. Você vai precisar de uma foto, algumas estações tem cabines automáticas.

No dia seguinte, já com o passe em mãos, fomos para a Citadium, uma enorme loja de esportes, de vários andares, atrás da Galeries Lafayette. Tínhamos uma lista enorme elaborada com precisão por nosso filho. 50/56, Rue du Caumartin.

A Galeries Lafayette é a loja de departamentos mais famosa da França, talvez do mundo. Seus intermináveis corredores lotados de turistas, de franceses, de parisienses, nem de longe lembram a modesta lojinha aberta por dois primos em 1895. O sucesso foi tão rápido, que Théophile e Alphonse, um ano depois, já compravam o prédio inteiro de esquina da Rue Lafayette. Poucos anos mais tarde, outros quatro prédios faziam parte do empreendimento. O famoso domo neobizantino de vidro e ferro, com 33 metros de altura, e a escadaria, símbolos das arquitetura art nouveau, foram construídos em 1912. Olhe para o teto, alguns turistas vão ali só para isso. No ano 2000, a Galeries Lafayette e suas 63 filiais somavam o impressionante número de 12000 funcionários! Compre e não se esqueça de pegar o détaxe. Abre todos os dias de 9:30 à 20h. Quintas até 21h. 40, Boulevard Haussmann. Metro Chaussée d´Antin - La Fayette. 


Arvore de Natal na Galeries Lafayette - e não é a maior!
Domo da Galeries Lafayette
Depois de dar uma olhada na Lafayette Maison, do outro lado da rua, onde tudo é muito bonito, muito chique, e caro, almoçamos na Lafayette Gourmet, um espaço dedicado a gastronomia dentro da Galeries, onde encontramos especialidades francesas e do mundo inteiro.

O mercado é imenso, com tanta quantidade de opções que qualquer um fica indeciso. Vários balcões servem refeições na hora, é só escolher entre massas, frutos do mar, peixes, carnes, queijos, comida chinesa, tailandesa, sushi bar, pagar, sentar nas mesas de banco alto, ou dar uma fugida até o terraço e perceber que não é um almoço qualquer, afinal, o visual maravilhoso nos faz lembrar: estamos em Paris! 40, Boulevard Haussman. Metro Chausée d´Antin, Metro Ópera. Aberto de segunda a sábado de 8:30h às 21:30h.

A poucos metros da Galeries está a famosérrima Opéra Garnier, cartão postal de Paris. Altiva, absoluta, dominando a Place de L´Opéra, é um prédio enorme neobarroco, lançado em 1669 por Louis XIV e finalmente inaugurado em 1875. Construído sobre um pântano, dizem a boca pequena que no subsolo do Palais Garnier mora um fantasma, que teria inspirado o célebre romance "O Fantasma da Ópera", hoje musical de décadas de sucesso internacional. Fantasmas à parte, no Opéra se apresentam as mais respeitadas companhias de dança e música do mundo. Seus quase 2000 lugares são disputados a tapa nas temporadas, compre com antecedência pela internet. A visitação é permitida e deveria ser obrigatória, faz bem aos olhos ver tanta beleza. Não deixe de olhar para cima e apreciar o teto que Marc Chagall pintou em 1964. O imenso lustre tem 6 toneladas. Na lojinha você vai encontrar várias reproduções e objetos decorativos. Metro Opéra.

Saída do Metro Opéra, em frente ao Palais Garnier
Interior do L Opéra
Atrás do Opéra, na 11 bis, Rue Scribe, bem ao lado de onde se pega o Roissybus, o ônibus para o aeroporto, fica a Igloo, uma lojinha muito simpática de objetos para casa e gadgets divertidos. E,  bem perto, está a badalada Uniqlo. 

A Uniqlo, marca japonesa moderninha, é o sonho da consumidora antenada: roupas bonitas, de boa qualidade e ótimo preço. As camisetas vestem super bem, as calças são confortáveis e a variedade da coleção é surpreendente. A fila do provador é chata. Vá acompanhada para poder trocar as peças que não servem, elas são bem enjoadas quando o assunto é entrar e sair do provador. Veste homens, mulheres e crianças. 17, Rue Scribe.

A poucos metros do Opéra, está o Café de La Paix. É lindo, uma viagem no tempo. Entre, sente na varanda, peça o inesquecível mil folhas - mille feuilles, uma taça de prosecco e deixe a imaginação à solta. 5, Place de l´Opéra.

A Printemps Haussmann é outro grand magazin de Paris, famosa por suas vitrines de Natal, quando toda Paris pára para admirar a decoração. No Le Deli-Cieux, um self-service para lanche rápido, você se extasia com o visual de 360º da cidade. Segunda a sábado de 9:30h às 20h. Às quintas fica aberta até 22h. 64, Boulevard Haussmann.

Paris do terraço da Printemps
Pouco mais adiante, fica uma boutique de coisas para casa que enlouquece qualquer uma, dona de casa ou não, La Vaissellerie. Lá encontrei tudo em porcelana branca, as formas bárbaras de silicone da Lekué, as cocottes coloridas da Le Creuset, e muito mais. www.lavaissellerie.fr. De segunda a sábado, de 10h às 19h. 80, Boulevard Haussmann. Outros endereços espalhados pela cidade.



Interior da La Vaissellerie. É para enlouquecer!
Era hora de pegar o metrô para a Champs Elysées. Descemos na estação Franklin Roosevelt, quase em frente a GAPA Gap da Champs Elysees é a melhor e a que fica aberta até mais tarde. A FNAC da Champs Elysees fica no numero 74. 

A avenida mais famosa do mundo foi planejada pelo paisagista André Le Notre. Em 1667 inaugurou seus dias de glória para todo o sempre. Lotada de lojas, restaurantes, hotéis, boutiques luxuosas como a Louis Vuitton, é um dos símbolos parisienses, encabeçada pelo Arco do Triunfo e com final na Place de La Concorde. O 14 de Julho, mais importante feriado da França, que festeja a queda da Bastilha, e o Reveillón são comemorados ali, com fogos de artifício e milhares de pessoas. Muitas lojas ficam abertas até meia noite.

O Arco do Triunfo, grandioso monumento construído por Napoleão para comemorar suas vitórias militares, foi inaugurado em 1806. Com 50 metros de altura, no meio da Praça De Gaulle, dali partem as 12 avenidas que formam L´Etoile. Suba os 284 degraus até o topo do Arco e você vai entender porque tem esse nome. O Metro Charles-de-Gaulle Etoile deixa em frente.

Uma das atrações da avenida é a sedutora loja Ladurée. Ao entrar, passamos direto para o fundo da loja onde fica o lindo balcão iluminado. Acompanhamos os blinis e mil folhas pralines com 1 taça de vinho rosé. 75, Avenue de Champs Elysées. Metro Franklin Roosevelt.

A Louis Vuitton da Champs Elysées tem toda a coleção da marca.  Fila na porta com excursões de coreanos. 101 Avenue des Champs Elysees. Metro George V.

A enorme loja da Adidas fica no 22, Champs Elysées. A da Nike, tão gigantesca quanto, fica no 67 da Champs Elysées. Metro Franklin Roosevelt.

A loja da Disney fica no número 44 da Champs Elysées. A maior loja da Haagen Dazn é logo adiante, no número 49 da Avenida.

Em tempos de Ipod, Iphone e Ipad, a Virgin Megastore resiste bravamente no número 52/60 da Champs Elysées. Como diz o nome é uma mega hiper loja de cds, dvds, e tudo que se relaciona a música e vídeo. Além da grandiosidade, é bonita.

Facilmente reconhecido pelo seu imenso telhado de vidro, o maior da Europa, o Grand Palais foi  inaugurado para a Exposição Universal de 1900 e, ao contrário do que aconteceu no Rio de Janeiro, com os prédios construídos para a Exposição Universal de 1922, não foi destruído. Hoje é um  complexo onde estão o Palais de la Decouverte, com exposições voltadas para a popularização da ciência, interessante para todas as idades,  as Galeries Nationales com coleções de arte e um restaurante, abertos ao público. www.grandpalais.fr. Avenue Franklin Roosevelt.

Grand Palais
Nos dias de sol generoso o destino é o Jardin des Tuilleries.

Passamos pela Place Vendôme, onde está a fotogênica coluna erguida por Napoleão para comemorar a Batalha de Austerlitz.

Place Vendôme
O Palais des Tuilleries, residência de vários reis franceses, como Louis XIV, Louis XV, até Napoleão III,  foi destruído por um incêndio em 1871. Ali, Maria Antonieta e Louis XVI viveram antes de serem levados para a prisão. Onze anos depois do incêndio, apesar dos protestos daqueles que queriam ver o palácio reconstruído, os escombros foram retirados e o jardim restaurado. O Jardin des Tuilleries se estende por um vasto espaço rodeado pelo Louvre, o rio Sena, a Rue du Rivoli e a Place de La Concorde. 

Jardin des Tuilleries
Lanchamos ali mesmo, numa preguiça boa de ficar.

No Jardin des Tuilleries estão dois museus: o Orangerie com uma coleção impressionista e o Jeu de Paume, dedicado à fotografia. 

Ali perto, fica o Hotel Le Maurice, onde Dali costumava ficar, hoje decorado pelo mago do design Philippe Starck. No Le Dali, o restaurante do hotel, experimente o chá da tarde, com salgadinhos e patisserie da melhor qualidade. Ou, em vez de chá ou chocolate quente, acompanhe com champanhe...

Descemos pela Rue du Rivoli até o Café de La Comedie onde sentamos como os franceses, de frente para a rua, para apreciar o movimento. Continuamos nosso passeio pela sofisticada Rue St. Honoré e, entrei na Colette.

A Colette é uma loja símbolo de Paris, uma concept-store. Ali são lançadas as tendências em moda e decoração com coleções exclusivas. No sub-solo, um Water Bar exibe coleções de água mineral de todo o mundo. Olhei muito, não comprei nem bebi nada, mas me diverti. 213, Rue Saint Honoré.

O Monoprix é um supermercado da rede Lafayette, tipo Lojas Americanas, bem popular. Da Colette ao Monoprix, me deixo levar sem resistência. Tem vários pela Ile-de-France.

Na Place de La Concorde fica o famoso Obelisco de Luxor, presente do governo egípcio.

Place de La Bastille, onde antes ficava a temida prisão La Bastille, invadida e destruída pelo povo em 14 de julho de 1789, é um lugar símbolo da Revolução para os franceses. A guilhotina só permaneceu no meio da Praça por 5 dias de junho de 1794, quando 75 pessoas foram decapitadas. Hoje, no lugar da guilhotina, está a Colonne de Juillet, erguida em comemoração à volta da monarquia, com a coroação de Louis Philipe d´Orlèans, não como Rei da França, mas como Rei dos Franceses, em 1830. Todos as quintas e domingos ali acontece o Marché Bastille, a feira do Boulevard Richard Renoir. A feira vende de tudo, comida, verduras, carnes, plantas, flores, roupas de bebê, casacos, comprei lenços lindos por 5 euros! Metro Bastille.

Mais adiante, a Feira de Aligre é das mais tradicionais. Rue de Aligre, às sextas, sábados e domingos de manhã.

Promenade Plantée é um viaduto de 4,5 quilomêtros que já foi uma estrada de ferro. Hoje é um jardim elevado onde os parisienses praticam corrida ou, simplesmente, passeiam. O acesso é ao longo da Avenue Daumesnil. Metro Bastille.

Saindo de casa, pela Rue Oberkampf fomos andando até o Marais, o mais charmoso bairro de Paris.

LE MARAIS

O Marais já foi o centro do poder, quando ali habitavam os Reis de França, antes da mudança para a Tuileries. Depois de um longo período de abandono, em 1965, foi declarado Patrimônio Histórico e, desde então, vem se renovando. É o bairro de todas as tribos. São centenas de lojas cheias de personalidade, bares, restaurantes, que atraem turistas mais antenados. A MOIA, na 59, Rue de Francs Bourgeois tem objetos de design bem bacaninhas. A Pizzaria Lino é um lugar simples e barato e a pizza é boa. 29, Rue du Francs Bourgeois. Dá para saltar no Metro St. Paul e caminhar para a rue dês Rosiers. Por ali, lojas e bares e restaurantes. As lojas fecham às 8h, como quase todas em Paris, com a diferença que muitas abrem aos domingos.

C.O.S é uma loja de roupas para homens, mulheres e crianças. Quem gosta do estilo Richard´s, como eu, vai adorar. 4, Rue des Rosiers. www.cosstores.com 

A Merci é uma concept store, assim como a Colette, além de bar/biblioteca e um restaurante natural. Charmosérrima, vende de tudo! 111, Boulevard Beaumarchais. Metro Saint Sébastien Froissart.

A Yellow Korner é uma galeria dedicada à fotografia. Cópias de todos os tamanhos e preços, a partir de 25 euros. São várias filiais por toda a cidade. A do Marais é no nº 8, Rue du Franc Bourgeois.

O Marché St. Catherine fica bem perto do Marais. É uma praça discreta, não muito grande, rodeada de restaurantes gostosinhos. Escolhemos o Le Marché. 6, Place du Marché Sainte-Catherine.

L´Éclair de génie é a nova confeitaria do Chef pâtissier Christophe Adam, ex-Fauchon. As famosas bombas de todos os sabores tem por companhia o sucesso das trufas de chocolate. Evite aos sábados porque a fila é quilométrica. De terça a domingo de 10:30 às 19:30h. 14, Rue Pavée. 75004.

Place des Vosges, uma das mais bonitas de Paris, foi construída por Henri IV, em 1612. É um quadrado perfeito, de 140m por 140m, com belíssimas arcadas e todos os edificios iguais, com exceção do Pavilhão Real. Ali, morou Victor Hugo e, hoje, lojas sofisticadas e galerias ocupam o espaço. Metro Bastille ou Metro Saint Paul.

L´Ambroisie é um restaurante que homenageia a ambrosia. Reserve. Sob os arcos da Place des Vosges você vai se sentir um Deus do Olimpo. Os chefs Bernard e Mathieu Pacaud ganharam 2 estrelas no Michelin. 9 Place des Vosges. Metro Bastille.

A loja das Havaianas fica no 19 Rue Ferdinand Duval. Os lançamentos mais estilosos demoram a chegar no Brasil. Metro Saint Paul.

Ainda no Marais, o antigo Hotel Salé, de 1659, abriga o Museu Picasso. Uma bela coleção, com exemplares das Fases Azul e Rosa, fazem parte do acervo de 400 obras, além de Matisse, Cézanne e outros pintores que ele gostava. Foi completamente renovado. 5, Rue de Thorigny. Metro Saint Paul ou Metro Chemin Vert. Fecha às terças.

LES HALLES

Andando mais um pouco, porque Paris é a cidade para se flanar, chegamos ao Centre Georges Pompidou, o Beaubourg, complexo cultural que abriga museu, biblioteca, teatro, centro de exposições, espetáculos de música e dança, atividades para crianças e jovens. O Beaubourg foi desenhado pelos arquitetos Renzo Piano e Richard Rogers e bastante criticado pelo seu projeto inspirado na arquitetura industrial. A inauguração em 1977 dividiu opiniões. Hoje, alguns ainda torcem o nariz para a construção, mas não deixam de admirar o acervo representativo do séc. XX e do séc. XXI, com obras de Bacon, Polock e muitos outros artistas contemporâneos. Abre todos os dias, fecha as terças feiras e no feriado de 1º de Maio. Os horários variam de acordo com a programação, consulte o site. Para evitar filas compre seus ingressos pela internet. Place Georges Pompidou. Metro Hotel de Ville ou Metro Rambuteau.

Centre Georges Pompidou
A Sereia na Fonte Stravinsky
Vimos a exposição do Lucien Freud, magnífica! Também já vimos coisas estranhas ali. Há alguns anos, ao entrar no Beaubourg sentimos um cheiro horrível; descobrimos logo que se tratava de uma instalação que usava burricos e que o cheiro era do xixi dos burros. Um horror!

O restaurant Georges no sexto andar do Centre Georges Pompidou é quase um cenário de filme do Kubric. Com seus imensos janelões de vidro, seguindo o estilo industrial chique do prédio, oferece um cardápio trendy-fusion. Tem que fazer reserva. Place Georges Pompidou, 4eme. Metro: Rambuteau ou Hotel de Ville (linha 11) ou Les Halles (linha 4)

Ao lado do Beaubourg, a Fontaine Stravinsky exibe 16 lúdicas esculturas que representam o trabalho do compositor Igor Stravinsky. Flanando ao sabor do vento, foram criadas em 1983 pelos escultores Jean Tinguely e Niki de Saint Phalle. Dá vontade de levar todas para casa!

Ali perto fica a histórica patisserie Stohrer, fundada em 1730, onde Louis XV encomendava delícias. A decoração é exagerada, muito dourado e cristais, mas os doces compensam na delicadeza. Experimente o Baba ao Rum. Abre de 7h30 às 20h30h, todos os dias da semana. 51 rue Montorgueil - Metro Sentier ou les Halles

Do Beaubourg, descemos pelo bairro Les Halles, que já foi badalado e hoje está bem caído, e chegamos ao Hotel de Ville, a sede do governo municipal de Paris. O prédio é imponente, renascentista, e tem importância em vários acontecimentos da história da França, como a Revolução. No inverno, a praça em frente se transforma em ringue de patinação no gelo para gente de todas as tribos e de todas as idades. Ali também Paris é uma festa! Place de L´Hotel de Ville. Metro Hotel-de-Ville.




RIVE DROITE

A BHV é uma super loja que também pertence ao grupo Lafayette. Vale a visita aos seus vários andares lotados de tudo para todos os ambientes da casa, papelaria, decoração, moda. Fica na esquina da Place de L´ Hotel de Ville com a Rue de Rivoli.

Quicksilver, loja de roupas esportivas badalada da garotada do surf, tem algumas filiais em Paris. Meu filho adora as bermudas de lá. Uma delas fica na 136, Rue du Rivoli.

Na Rue du Rivoli, no número 226, pare para apreciar a arquitetura belle époque dos salões da Maison Angelina com todo seu charme desde 1903. Ali também estiveram Chanel, Proust e ainda muitos outros tomando o super famoso chocolate quente L´Africain. Prove o doce Mont Blanc, você nunca mais vai querer sair dali.

Um dos salões da Maison Angelina
L´African. Algo por quê vale a pena engordar!
Andando pela Rue du Rivoli, chegamos ao Museu do Louvre, antigo Palácio Real, um dos maiores museus do mundo com uma coleção excepcional. Entre pela Pirâmide, desça o elevador que vai dar no Hall Napoleon, onde fica a bilheteria e a Pirâmide Invertida. Não é fácil visitar o Louvre, são 3 alas, Denon, Sully e a Richelieu, com salões enormes; um universo exposto para nosso deslumbramento. As coleções são identificadas por cores e todas as salas tem um número. Escolha no mapa do Museu o que quer ver e planeje. Planeje muito para não se perder. Não economize, pegue um audio guide.
O Louvre é um museu que facilita a vida de turistas e deficientes. Deixe suas compras na bagagerie e, se precisar de um carrinho de bebê ou cadeira de rodas, solicite ao funcionário mais próximo.

Pirâmide Invertida
Eu gosto mais da Ala Denon, onde a alada Vitória de Samotrácia recepciona os visitantes na subida da escadaria. No primeiro andar, estão o quadro de Jacques Louis David, a Sagração de Napoleão; A Liberdade Guiando o Povo, de Delacroix, símbolo da Revolução Francesa; A Virgem das Rochas, quadro alçado à popularidade pelo livro de Dan Brown, o Código Da Vinci; e, pouco adiante, uma celebridade, o retrato de Lisa Gherardini, esposa de Francisco de Giocondo, pintado por Leonardo Da Vinci. É um mar de gente para ver a Gioconda, ou Mona Lisa, como preferir. Na mesma sala, vire-se para olhar As Bodas de Canaã, o gigantesco quadro de Veronese.
Na Ala Sully, no térreo (rez-de-chaussée) está uma celebridade bem mais antiga, a Venus de Milo. Na imensurável coleção egípcia, procure o simpático Escriba Sentado, as múmias e a monumental estátua de Ramsés II. 
Na Ala Richelieu, no térreo, estão o Código de Hammurabi, Rei da Babilônia, os Escravos de Miguel Angelo e, ao lado, a sensual escultura Eros e Psiquê, de Canova. No primeiro andar, ficam os apartamentos de Napoleão III. No segundo andar, o mais famoso retrato de Louis XIV, pintado por Rigaud.
Em 2012 foi inaugurada a coleção de arte do Islã.
Se o dia estiver bonito, tome um café na varanda do Café Marly, ao lado da Pirâmide.
Quartas e sextas, o museu fica aberto até às 22h. Metro estação Palais Royal/Musée du Louvre.  Uma estação sai dentro do Carrossel do Louvre. O batobus faz ponto em frente. www.louvre.fr

Museu do Louvre, a Pirâmide
(foto Wikipédia)
A bela Venus de Milo cercada pelos paparazzi
Escriba Sentado - Musée du Louvre
No Carroussel do Louvre, no subsolo do Museu, encontramos lojinhas simpáticas e uma filial da Sephora, com seus cosméticos e perfumes espetaculares. Ali estão a Nature e Découvertes, a Fragonard Louvre e até uma filial da Apple Store, menos conhecida e, por isso, mais vazia. 162 Rue de Rivoli. Metro Louvre-Rivoli. 

Se ao sair do Louvre, você virar à direita na direção da Avenue de L´Opéra, vai passar pela Place Colette. Ali é a sede da Comedie Française, a mais tradicional companhia de teatro do país. São 3 séculos de existência desde que foi criada pelo Rei em 1680. É um patrimônio da França. www.comedie-fracaise.fr

Ali, bem ao lado, fica o Palais Royal, um prédio público construído para ser a residência do Cardeal Richelieu e onde a Comedie Française mantém a Sala Richelieu. Louis XIV morou ali. Sua construção começou em 1624, e hoje, no pátio interno, de 3 mil metros quadrados, podem ser vistas as colunas do artista multimídia Daniel Buren e, nas arcadas, lojas de grife, cafés e galerias de arte.

O pátio interno do Palais Royal com as Colunas de Buren..
Ao lado do Palais Royal fica a Galerie Vivienne, a mais elegante das centenas de Galeries ou Passages espalhadas pela cidade. Aberta ao público em 1826, são mais de 30 lojas entre boutiques, cabeleireiros, galerias de arte e fotografia, livrarias e o Bistrô Vivienne. 6, Rue Vivienne. Entrada também pela 5, Rue de Banque.

Na frente do jardim do Palais Royal fica a Boites à Musique - Anna Joliet, com caixinhas de música desde as mais simples às mais sofisticadas que tocam A Flauta Mágica, de Mozart. 9 Rue de Beaujolais. Metro Palais Royal.

Na Rue Saint Honoré, uma das mais chiques da cidade, você encontra lojas sofisticadas e marcas badaladas. A Castaner é a marca mais antiga de espadrilles da Espanha. Fica no número 264.

Atrás do Palais Royal está uma das grandes praças de Paris, a Place des Victoires, onde Kenzo, Thierry Mugler, fazem companhia a outras lojas de grife sob o olhar austero do Rei Sol. Para os aficcionados, uma loja da Hello Kitty desafia a haute-couture.

Se, em vez de virar à direita, você seguir pelo Jardin de Tuilieries, vai chegar na Place de La Concorde. Inaugurada em 1772, a Place de La Concorde é a maior praça de Paris. A temível guilhotina foi instalada ali durante a Revolução Francesa. Mais de 1100 pessoas, literalmente, perderam a cabeça, entre elas Louis XV, Maria Antonieta, Danton e Robespierre. Depois do Terror, a chamada Praça da Revolução teve seu nome mudado para Place de La Concorde. O Obelisco no centro da Praça foi doado pelo governo egípcio e ali instalado em 1836. Metro Concorde.

Perto da Place de La Concorde fica a Rue du Mont Thabor, com lojas para todos os desejos, um restaurante só de souffles (claro, você está em Paris!), o Le Souffle, um de comida caseiríssima, o Le Mont Thabor Café, um salão de cabeleireiro recomendado pela Consuelo do Consueloblog, o Studio 34, no número 34, e hotéis como o Hotel Continent, simples, bem localizado e com bom preço - www.hotelcontinent.com).

No Le Soufflé, no nº 36 da Rue du Mont Thabor, almoçamos um soufflé épinard chêvre e como sobremesa um souffle de caramel. O ambiente é aconchegante sem luxo. O restaurante é vencedor do Traveller´s Choice 2012, do Trip Advisor. São dezenas de sabores de soufflé: queijo, camarão, tomate e mozzarella, foie gras, avelâs, chocolate... O menu Tout Soufflé com entrada, prato e sobremesa, custa 35 euros. A Formule Midi, de 2ª a 6ª, custa 26 euros. Vale a pena a visita, não é caro e, com certeza, você vai comer o melhor souffle da sua vida.

Le Soufflé épinard chèvre
La Madeleine é uma igreja que não tem a menor cara de igreja, parece um templo grego. A construção começou em 1764, e o projeto final foi inspirado no Partenon, símbolo maior da grandeza de Atenas. Durante o governo de Napoleão, chegou a ser símbolo das glórias militares, logo substituída no posto com a construção do Arco do Triunfo. Antes de se tornar igreja, em 1842, consideraram usar o prédio como estação de trem ou como banco. Hoje, La Madeleine é um lugar marcante de Paris, sua localização privilegiada faz com que os olhos se voltem para ela assim que chegamos à Place de La Concorde. Dali até a Place de La Madeleine são apenas 400 metros. De costas para a entrada da Madeleine você vai ver as colunas do prédio da Assembleia Nacional. As colunas dos dois edifícios são simétricas. Vários concertos de música clássica e contemporânea são apresentados ali, vale consultar a programação. Place de La Madeleine. Metro Madeleine.

Concerto na La Madeleine
Depois de visitar a Madeleine, vá aos banheiros públicos, os mais bonitos de Paris, em estilo art déco. 

Ao lado da Madeleine, se encontra o Fauchon, templo gastronômico conhecido internacionalmente. São doces, geléias, chocolates, caviar, com qualidade fenomenal. Vale a pena o Ouef du Salmon – em cima de um brie, huuuuummm – em torno de 15 euros. Bom, tudo vale a pena no Fauchon, que gula! É o lugar para ficar com água na boca. E onde vale a pena engordar. No primeiro andar tem um salão para refeições, no subsolo, vinhos e um balcão para sopas, frios, saladas e sobremesas. 26, Place de La Madeleine. Metro Madeleine

Do outro lado da rua, o Hediard, fundado em 1854, rivaliza em qualidade e sabores com o Fauchon. Vale a pena dar uma olhada, os preços são bem mais simpáticos. 21, Place de La Madeleine. Metro Madeleine.

A loja do Massimo Dutti, bem ao lado, é uma das minhas preferidas para roupas casuais e elegantes a preço justo. 24, Rue Royale. Metro Madeleine.

O Ladurée tem uma de suas filiais no 16, Rue Royale. Que tentação!!!

Marquise de Sévigné é um salão de chá com chocolates deliciosos. 32, Place de La Madeleine.

E, por falar em chás, o Betjemen and Barton tem uma seleção de mais de 200 espécies do mundo todo. 23, Boulevard Madeleine.

O Kiosque Theatre fica ao lado da Madeleine. Ali, como no TKTs de New York, pode-se comprar ingressos para o mesmo dia, com ótimos descontos.

A Pinacothèque, com acervo excelente de arte moderna e contemporânea e maravilhosas exposições temporárias. De 10h30 às 18h30. Às quartas e sábados fecha às 21h. 28, Place de La Madeleine. Metro Madeleine.

Da Madeleine até a Opéra Garnier são dez minutos de caminhada, pelo Boulevard de La Madeleine, se você não se distrair com as lojinhas do caminho. Eu levo horas.

Sugiro um passeio diferente: fazer o tour "Les Etoiles du Rex" dentro do cinema Le Grand REX. Uma visita interativa, lúdica e surpreendente, que conta a história do cinema com vários truques, imagens de arquivo e efeitos especiais. De quarta a domingo, de 10h às 19h, a cada 5 minutos. Duração 50 minutos.
Símbolo do Art Decó, Le Grand Rex é o maior cinema de Paris, com 2800 lugares e a maior tela da Europa. Aberto em 1932, hoje ali também se realizam concertos e shows de música, teatro. 1, Rue de Poissionère. Metro Bonne Nouvelle. www.legrandrex.com.

Le Grand Rex
RIVE GAUCHE:

Você pode descer do Metrô na Pont Neuf e caminhar em direção à Rive Gauche, pela Rue Dauphine, repleta de restaurantes e lojinhas. Metro Pont Neuf.

A Pont Neuf é a mais antiga de Paris, sua construção data de 1578.  Antes de chegar ao outro lado, vire a cabeça para e esquerda; você vai ver a praça formada por um triângulo perfeito na extremidade da Ile de La Cité. Seguimos pela Rue Dauphine até o Quartier Latin.

Moeti é uma papelaria pequena, mas charmosa na Rue Dauphine 30.


L´Heure Gourmande é uma casa de chá muito charmosa na Passage Dauphine 22. Abre todos os dias de 11:30h às 19h.

Almoçamos no famoso Le Procope, indicação do meu filho, que lá esteve com a namorada meses antes. O restaurante mantém a tradição que o fez famoso desde a sua fundação em 1686. No século 18, a proximidade com a antiga sede da Comedie Francaise e a excelência da sua cozinha, fez com que artistas, pensadores, expoentes da vida cultural e política, como Balzac, Victor Hugo, Rousseau, Voltaire, ali se reunissem transformando o Le Procope no primeiro café literário do mundo. Testemunha de uma história, em suas mesas Danton, Robespierre, Marat, discutiram o futuro da França. Pedimos dois menus do dia (salada, truta e creme brullé), 2 chopps grandes, água, e a conta saiu por menos de 65 euros. 13, Rue de L´Ancienne Comedie. Aberto todos os dias da semana, de 11:30h à meia noite.


Cardápio do Le Procope
Para eletrônicos e música, nosso lugar preferido é a FNAC Digitale, onde sempre encontro tudo o que procuro e sou super bem atendida. 77/81 Boulevard Saint Germain. Metrô Odeon, Metrô Cluny-la-Sorbonne ou Metrô Saint-Michel.

Sou viciada em cremes e cosméticos. Não encontrei ainda lugar melhor no mundo do que a Citypharma para comprar todos os itens da receita do dermatologista. É uma farmácia de dois andares, com corredores lotados de viciadas como eu, algumas até agressivas, cuidado, super bom preço, talvez por isso sempre cheia. Conselho: não vá na hora do almoço! Ainda mais agora que a fama do lugar se espalha com uma rapidez impressionante! 26, Rue du Four, esquina com Rue Bonaparte. Saint Germain de Prés. Metro Mabillon.

Depois da gincana na Citypharma, a recompensa é merecida. Siga pela Rue Bonaparte até o Pierre Hermés, onde os incríveis macarrons disputam em delícia com os doces exibidos do balcão envidraçado. No caminho, no número 59, está a Minelli, com suas bolsas lindas e preço mais lindo ainda.

Os doces e macarrons do Pierre Hermés são famosos em todo o mundo. Peça para comer na hora e vá tomar um café na loja da Nespresso, vizinha, no número 64. Pronto, você já esqueceu  os empurrões sofridos na farmácia. Fica na Rue Bonaparte, 72, quase em frente ao Hotel Bonaparte, perto da Place da Saint Sulpice. É bem perto da Cityfarma. Metro Saint Sulpice. 

Caminhe mais alguns metros e lá está a famosa igreja Saint Sulpice, erguida em 1646, estrela do instigante livro de Dan Brown, o Código Da Vinci e cenário do casamento do escritor Victor Hugo. Entre e, se o organista estiver inspirado, você vai ouvir um dos mais belos sons da terra, projetados pelo magnífico órgão de 1862, com seus 15836 tubos. Consulte a programação, os concertos de órgão acontecem com frequência. Olhe para o chão e lá está o meridiano de Paris. Olhe para a frente e lá está o Gnomon, que marca a hora do dia projetando a sombra no solo. Veja também a Capela dos Anjos com afrescos de Eugene Delacroix. Place Saint-Sulpice. Metro Saint-Sulpice.

Meridiano de Paris, Igreja de Saint Sulpice
Continuando a caminhada você logo vai chegar ao Jardin du Luxembourg, o maior parque de Paris, com mais de 200 mil metros quadrados. Ali está o Palais du Luxembourg, construído em 1625, por encomenda de Marie de Médicis, mãe de Louis XIII, que, cansada do Louvre, queria um palácio inspirado no Palácio Pitti de Veneza (ok, o palácio do vizinho é sempre mais suntuoso). Napoleão Bonaparte morou ali quando foi Primeiro-Consul da França. Nos dias de hoje está sediado o Senado francês. Os lagos do jardim são destinados ao lazer, você pode alugar barcos de controle remoto e se divertir pilotando. Ali está o Teatro de Marionetes mais antigo de Paris que também diverte a garotada. Volta e meia, uma atração diferente toma conta dos jardins e, no verão acontecem concertos gratuitos no coreto. Já vimos a apresentação de um coral fantástico. O Musée du Luxembourg, com obras de Rafael e Rembrandt, também fica dentro do Jardin. 2 Rue Auguste Comte. Metro Luxembourg.

Jardin du Luxembourg
Jardn du Luxembourg
Criança brincando no lago do Jardin du Luxembourg
Saímos do jardim e pegamos a Rue d´Assas em direção a Rue de Sévres, 38. É o endereço gourmet de Paris (além do Lafayette Gourmet, mais recente). La Grande Epicerie de Paris é anexa à loja de departamentos, ou "grand magazin" como dizem os franceses, inaugurada em 1852,  Le Bon Marché, que fica no número 24. Émile Zola definiu a primeira loja de departamentos da cidade como "a catedral do comércio moderno". São vários andares de gulodices de todos os lugares do mundo, expostos para despertar a gula dos mais frugais seres humanos. Você vai sair com a sacola lotada de tudo o que mais precisa, potes de sal das mais inusitadas procedências, do Himalaya ou do Hawai, (você nunca mais vai viver sem eles, cuidado), chás, pimentas, geléias, chocolates, vinhos, pães, molhos, um absurdo de coisas gostosas! Os preços não são baratos, mas nada se compara ao despropósito que pagamos no Brasil por tudo que é importado. Como se aqui, no nosso país tropical, o controle de qualidade tivesse algum rigor. La Grande Epicerie de Paris fica aberta de segunda a sábado, de 8:30h às 21h. Le Bon Marché fica aberto às segundas, terças, quartas e sábados de 10h às 20h. Quintas e sextas fica aberto até 21h. 24 Rue de Sèvres. Metro Sévres-Babylone.

Para experimentar o melhor croissant de Paris, vale uma parada na Dallayau. Essa patisserie de 300 anos já encantava Louis XIV com a criatividade dos chefs Dallayau (sim, desde então é a mesma família que gerencia o negócio). Abre todos os dias de 9h às 20h30h. 2, Place Edmond Rostand. Metro Cluny La Sorbonne.

Numa esquina da Saint Germain de Prés, desde 1885, está um dos mais famosos cafés de Paris, símbolo da vida cultural da cidade, o Les Deux Magots, onde Rimbaud, Sartre, Simone de Beauvoir, Hemingway, bebericavam taças de vinho e lançavam idéias geniais ao ar. Faça como eles, peça um café ou uma taça de espumante e dê um tempo para apreciar a vida parisiense. 6, Place Saint Germain de Prés. Metro Saint Germain de Prés.

Café "Les Deux Magots"
Foto do site Panoramio by Khopan
No 172 da Boulevard Saint Germain, esquina com a Rue Saint Benoît, outro café rivaliza em fama e tradição com o les Deux Magots, o Café de Flore. Também era frequentado pelos mais prestigiados intelectuais da Paris pós-guerra.

Emma e Juju é uma boutique de enorme bom gosto. As roupas vestem muito bem, são chiques e esportivas. Casuais e elegantes. Adorei. 158, Boulevard Saint Germain.

Ainda em Saint Germain, a loja do Henri Le Roux é um perigo para quem pretende manter a linha. Além dos doces, caramelos e outras tentações, ele inventou o "caramel au beurre salé". Não dá para descrever, você vai ter que provar. 1, Rue de Bourbon le Château. Metro Mabillon.

Não muito distante, na Rue Bonaparte 23 e 25, está a Simrane, onde qualquer sã enlouquece com os lenços, toalhas de mesa, guardanapos, colchas, almofadas... Imperdível. Metrô Saint Germain de Prés.

Carré Rive Gauche - são mais de 120 antiquários associados num circuito que se espalha pelo Quai Volteire, Rue du Bac, Rue de Beaune, Rue de L´Université, Rue de Lile e Rue des Saints- Péres. Metro Saint Germain des Prés. 

O Museu Rodin é um dos lugares mais gostosos de Paris. O enorme parque que abraça o casarão de 1927 onde Rodin viveu seus últimos dias, e onde também moraram Matisse, Isadora Duncan, Rilke, entre outros artistas, abriga esculturas espetaculares do mestre, como o conjunto Le Bourgeois de Calais, a Porta do Inferno e O Pensador. A coleção contabiliza mais de 300 obras. Metro Varenne.

Porta do Inferno - repare que o Pensador está no alto.
Saindo do Museu Rodin tome uma cerveja gelada no Café du Musée. 17, Boulevard des Invalides.

Bem perto do Museu Rodin está o Musée de l´Armée, ou, Les Invalides, onde Napoleão finalmente sossegou. O museu, conhecido como da Guerra, guarda a história militar da França. Napoleão morreu em Santa Helena, em 1821; em 1840, o Rei Louis Phillipe resolveu levar seus restos mortais para o Les Invalides, em Paris. Uma imponente tumba foi construída e inaugurada em 1861, para guardar as cinzas do Imperador. No complexo, que foi construido por Louis XIV para abrigar seus soldados inválidos, se encontra a Igreja do Domo, com seu magnífico Domo dourado avistado por toda Paris. www.invalides.org. Metro Invalides ou Metro Varenne.

Museu D´Orsayà margem do Senna, é o meu preferido em Paris. Sempre pego o elevador e vou direto ao quinto andar onde os impressionistas dão show. É o maior acervo impressionista do mundo! Van Gogh, Monet, Manet, Renoir, Degas, Cézanne, Sisley, Pissarro, Morizot, Lautrec, esculturas de Degas, entre muitas outras obras primas. Depois, venho descendo pelas escadas. O prédio já é um espetáculo; antiga Gare d´Orsay, de 1871, que em 1977 se transformou em museu. A coleção é de cair o queixo de tão completa, estão todos os mais importantes artistas de todos os tempos, escultores e pintores. Antes de sair, pare no primeiro andar para tomar um café no Eliance, o elegantérrimo restaurante datado de 1900. Se preferir um ambiente mais informal, o Café Campana traduz a irreverência dos nossos compatriotas, os irmãos Campana. O site é ótimo, vá direto ao Plan Interactif, à esquerda do vídeo, e escolha o que deseja ver. 62, Rue de Lile. 1 Rue de La Légion d´Honneur. Metro Solférino. 



QUARTIER LATIN:

Quartier Latin é o bairro mais boêmio e famoso da França. Lotado de turistas durante todo o ano em busca de diversão e boa comida. Bem, boa comida, vá lá. São restaurantes de todas as nacionalidades, gregos, com seus garçons quebrando pratos no meio da rua para chamar a atenção, árabes, pizzarias, italianos, é só escolher. Seu nome tem origem na proximidade com a Sorbonne, universidade onde os estudantes aprendiam e falavam latim.

O Metrô Cluny La Sorbonne sai direto no Quartier Latin. Na estação, olhe para o teto. São centenas de reproduções de assinaturas de personalidades do cenário cultural da França.

Rue Mouffetard é uma das ruas mais badaladas de Paris, cheia de lojas, bares e restaurantes. É só escolher, tem programa para todas as idades. Metro Place Monge.

La Fontaine é um restaurante informal na 2, Rue du Pot de Fer, esquina com a Mouffetard. Comemos um fondue bem honesto.

L´Assiette aux Fromages é um restaurante muito simpático na Rue Mouffetard, 25. O atendimento é impecável. Comemos uma salada de chevre chaud, uma salada vegetariana, tomamos uma garrafa de vinho rosé, e dividimos um creme brullé. A conta foi 49 euros. E ainda tinha um lindo jardim ao fundo. www.lassietteauxfromages.com.

Saladas do L´Assiettes aux Fromages
Dinossauros? Claro que tem!
Parte do Museu de História Natural, fundado em 1793, durante a Revolução Francesa, o Jardin des Plantes é um oásis verde recheado de flores. Dividido em 2 esplanadas, reúne 2 museus e 1 minizoo. Comece o passeio pela Galeria da Paleontologia para ver os dinossauros, depois a Galeria da Evolução, a Galeria das Crianças. Visite as Estufas, a Menagèrie,- o Jardim Zoologico mais antigo do mundo, fundado por Napoleão em 1795, com cerca de 2000 animais, alguns em perigo de extinção. Não é o maior jardim de Paris, mas o passeio vai agradar a toda a família. 2, Rue Buffon. Metro Jussieu ou Metro Gare d´Austerlitz. www.mnhn.fr

Perto do Jardin des Plantes, uma opção de restaurante é o La Baleine, sugestão para peixes e risoto. 47, Rue Cuvier.

La Grande Mosquée de Paris - próxima ao Jardin des Plantes é a maior da França e a terceira maior da Europa. Foi fundada em 1926, em agradecimento e homenagem aos soldados muçulmanos que lutaram na Primeira Guerra Mundial. Aberta a visitação, tem, em seu interior, restaurante, um salão de chá concorrido, jardins e uma lojinha de produtos árabes. 2 bis Place du Puits de l´Ermite. 01 45 35 97 33. Metro Place Monge,  Jussieu ou Censier.

Musée de Cluny ou Musée du Moyen Age - instalado em dois monumentos da cidade, as Termas Galo Romanas (séculos 1 a 3) e a Abadia de Cluny (século XV), foi fundado em 1843. Hoje tem um dos mais importantes acervos oferecendo um panorama único da arte medieval. Faz parte da coleção o maravilhoso conjunto de tapeçaria La Dame à La Licorne do século XV. 6, Place Paul Painleve. Metro Cluny La Sorbonne.

Panthéon - no prédio de arquitetura grega e gótica estão enterrados Rousseau e Voltaire e ainda, no térreo, está a reprodução do famoso Pendulo de Foucault, que comprova a rotação da terra. Place du Panthéon. Metro Cardinal Lemoine.

A icônica livraria Shakespeare & Co, frequentada por Hemingway, foi fundada nos anos 20 por Sylvia Beach e fechou na Segunda Guerra Mundial. Foi reaberta em 1951 por George Whitman que herdou a tradição de apoiar novos escritores. 37 Rue de la Bucherie. Metro Saint Michel.

Caveau de La Huchette é um famoso clube de jazz, com tradição de 50 anos, que fica num porão construído no século 16. Ali foi o quartel general dos cabeças da Revolução Francesa. Os shows começam a partir de 22h. 5 Rue de La Huchette. Metro Saint Michel.

O restaurante que aparece no filme de Woody Allen, Meia Noite em Paris, é o Polidor, fundado em 1845. Ali jantavam Verlaine e Rimbaud, Hemingway e Victor Hugo, Joyce e Artaud. A decoração parece intocada e os banheiros são atração à parte. A comida parece que deixa um pouco a desejar, mas o ambiente é prá lá de agradável. Fica perto do Jardin du Luxembourg. 41 Rue Monsieur Le Prince.

ÎLE DE LA CITÉ:

Na Praça Parvis está a mais famosa, mais turistica e espetacular igreja de Paris, a Notre Dame, com suas gárgulas super protetoras, no alto, sempre atentas e vigilantes. Fundada em 1163, em estilo gótico, foi palco da coroação de Henrique VI e de Napoleão Bonaparte,  ali foi decidido o destino de Joana D´Arc. Sua fama ultrapassa todas as fronteiras e está sempre lotada de turistas. Em algumas épocas, verão principalmente, a entrada é limitada e filas se formam desde cedo. Para subir os 387 degraus até as torres é bom chegar cedo, as filas que se formam à esquerda, por uma entrada lateral, são imensas. Aos Domingos, às 10h, a missa é adereçada com a apresentação de canto gregoriano. E, às 16:30h, você tem o prazer de ouvir audições no órgão de 7800 tubos. Confirme os horários no site oficial. Metro Cité.

Notre Dame
Em frente a catedral, no meio da Praça Parvis, se encontra o Marco Zero de Paris, a partir de onde se calculam as distâncias de todas as estradas do país. É uma placa discreta no chão.

A apenas 500 metros de Notre Dame, a Conciergerie,  é um prédio austero, que foi residência dos reis franceses do século 14 ao século 18. Durante a Revolução Francesa foi transformada em prisão e câmara de tortura pelos revoltosos. Ali, em meio a centenas de prisioneiros, Maria Antonieta viveu seus últimos dias, antes de ser decapitada na guilhotina instalada na Place de La Concorde. A cela da Rainha, sem luxo algum, pode ser visitada. Hoje, a Conciergerie é um museu aberto parcialmente ao público. No mesmo prédio, funciona o Palácio de Justiça. 4, Boulevard du Palais. Metro Cité.

A Saint Chapelle, ao lado da Conciergerie é uma capela construída por Louis IX para acolher as relíquias de Cristo, principalmente, o que ele acreditava ser a coroa de espinhos. Em estilo gótico, o que mais impressiona são os vitrais imensos do primeiro piso, espaço reservado ao Rei. Cuidado, nós quase não subimos, a escada é super tímida e, se você não souber, acha que tudo já foi visto no térreo. 6, Boulevard du Palais. Fica dentro do Palácio da Justiça, mas a entrada é independente. Metro Cité.

Primeiro andar da Saint Chapelle
ILE SAINT LOUIS:

Não é só porque Chico Buarque tem um apartamento ali que a ilha é tão cheia de charme. É um dos lugares mais gostosos para se passear em Paris. Se você está na Notre Dame, é só atravessar a Pont Saint Louis, localizada na praça atrás da igreja, Place Jean XXIII. Dê uma última olhada para a Catedral, muitos ficam em dúvida se ela é mais bonita por trás ou na fachada.

Assim que atravessar a ponte, depois de parar para apreciar a paisagem do Sena e, se tiver sorte, e o tempo ajudar, ouvir as canções francesas tocadas pelos heróicos músicos de rua, você vai ver a famosérrima sorveteria Berthillon. Hora de engordar. 29 Rue Saint Louis en l´Ile. Metro Cité.

Para falar a verdade, a Berthillon ganhou um concorrente à altura, o Amorino. Na dúvida, prove os dois, você não vai se arrepender. O Amorino ainda tem a delicadeza de servir seu cremoso sorvete em forma de flor, lindo! 7, Rue Saint Louis-en-ile. Outros endereços pela cidade.

Amorino!
A principal rua da ilha é a Rue Saint Louis. Ali se concentram as lojas mais charmosas e restaurantes aconchegantes.

Il Campielo - para mim, que faço coleção de máscaras, é um pequeno paraíso na artéria principal da ilha.  De todas as formas, materiais e tamanhos, estão expostas as máscaras do Carnaval de Veneza e da Commedia dell´arte, além de vidros de Murano e outras pérolas do artesanato italiano. Peça para ver as miniaturas de máscaras dos personagens da Commedia. São delicadas, lindas e ideais para embalar para viagem. Gosto de comprar uma de cada vez, assim, sempre tenho motivo para voltar lá. Além da simpatia da veneziana Paola, uma apaixonada pela arte dos palcos, dona dessa pequena maravilha. De meio dia às 19h, todos os dias. 88, Rue Saint Louis-en-Ile.

Il Campielo
A loja da Pylones tem presentes e objetos de decoração para todos os gostos e idades, sempre com um toque irreverente e divertido. Rue Saint Louis-en-Ile.

La Ferme Saint-Aubin é uma fromagerie onde os queijos acumulam qualidade e sabor. Podem ser embalados à vacuo, o que facilita na hora de embarcar. 76, Rue Saint Louis-em-Ile. 75004. Abre de 8 às 19:30h. Fecha às Segundas. Metro Pont Marie (linha 7)

Fromagerie Bernard Lefranc - com a assinatura do mestre fromagier Bernard Lefranc, essa queijaria além dos queijos espetaculares vende refeições prontas ou pré-cozidas para viagem, sucos, azeites e geléias. De terça a sábado de 8:30 às 22h. Aos domingos de 9:30 às 16h. 38, Rue Saint Louis-en-Ile.

Le Sergent Recruteur - recém redecorado com uma pegada moderninha, atrai o público que lota o restaurante. O cardápio renovado do Chef Antonin Bonnet ganhou uma estrela do Guia Michelin. No bar da frente você fazer uma degustação de "Street Food" ou esperar pela mesa no salão principal. O menu fica entre 65 e 145 euros. Reserve pelo telefone +33 (1) 43 54 75 42.  41, Rue Saint Louis-en-Ile.

COURS SAINT EMILLION:

O Cours Saint Emillion não está nos roteiros mais turísticos, ainda bem. Antigamente, era ali a estação Bercy, onde o trem parava, vindo do sul, com os barris de carvalho lotados de vinhos Saint Emillion. Transformado em centro comercial em 1998, ainda vemos os trilhos cortando a rua principal (e única) e os antigos armazéns, agora reformados e transformados em lojas e restaurantes. Metro Cours Saint Emillion.

A Nature et Decouvertes deixa qualquer amante da natureza de queixo caído. São essências, utilitários para acampamento e vida ao ar livre, acessórios para meditação, tudo o que você pode imaginar para transformar sua admiração em paixão. A boutique Agnes B tem roupas com corte impecável a preços razoáveis. A Sephora, claro, tem uma filial ali. Quem gosta de objetos para casa vai se encantar com a Coté MaisonAlice Délice é uma loja muuito simpática de utilitários para cozinha com uma pegada moderna e prática.

A Factory & Co. traz o clima novaiorquino para a França, com seus bagels e cheesecakes deliciosos ao som de jazz. Fica aberta até meia noite.

No bar a vin Nicolas, pode-se escolher um vinho na adega, a preço muito razoável, e levar para a mesa acompanhado de um assiette de fromages. Delícia! Fecha às 21h.  Uma filial da rede Hippopotamus atrai os amantes da carne. As lojas fecham às 21h, mas alguns restaurantes ficam abertos até meia noite. 

Vinho e Patê no Nicolas
MONTMARTRE

O lindo e sensual filme Moulin Rouge, de Baz Luhrmann, dá o tom da região, famosa por seus cabarés, e ateliers de artistas. O marco do bairro é a Basilique de Sacre Coeur, majestosa, de onde se vislumbra toda Paris. A construção começou em 1875, em estilo romanico-bizantino, e foi inaugurada em 1914. E, se  quando você estiver por ali, um harpista inspirado estiver dedilhando suas cordas, é o auge! 35 Rue du Chevalier de la Barre.

Saltando do metro na estação Anvers, entre pela rua Steinkerque e caminhe até chegar ao ponto do funicular. O ticket do metrô vale para o funicular de Montmatre. Depois de visitar a Igreja de Sacre Coeur é um programão descer a pé pelas ruazinhas. Ande até a  Place du Tertre, sente num bistrô e fique apreciando o trabalho dos artistas plásticos, pintores e caricaturistas. Tem um barzinho chocante ao lado da Exposição Dali. O Espace Dali, com uma coleção de mais de 300 obras do pintor surrealista, fica na Rue Poulbot, 11. Metro Abesses.

Igreja Sacre Coeur em Montmartre
Harpista em Montmartre
O Café des Deux Moulins fica na Rue Lepic, 15. Ali, a personagem de Audrey Tatou trabalhava como garçonete no Fabuloso Destino de Amelie Poulain.

Já embaixo, ande mais um pouco até a Place Blanche e você vai se deparar com o Moulin Rouge, o mais famoso cabaré de todos os tempos. Metro Blanche.

Descendo pelas ruas até a estação Abesses, na Place Abesses, vá até a Place Jehan-Rictus, onde está o famoso muro com "Eu te amo" escrito em mais de 300 línguas.

A Rue des Abbesses é um polo de butiques de novos estilistas e marcas moderninhas como a Ba&sh, 1 bis, Rue des Abbesses. Metro Abbesses.

La Boutique des Anges tem tudo relacionado a anjos, envelopes, velas, figuras. 2, rue Yvonne le Tac.

Um trenzinho branco circula pelo bairro com saída e chegada pela Place Blanche.

La Mère Catherine é um restaurante tradicional fundado em 1793. A lenda diz que foi ali que surgiu o termo "bistrot", quando alguns russos gritavam "bistro! bistro!", que quer dizer rápido na língua deles. Fica na Place de Tertre.

Le Comptoir é indicado por todos os sites, livros e blogs. Tem uma varanda simpática para apreciar o movimento de Saint Germain e degustar uma salada verde com foie gras acompanhada de um belo vinho. 9, Carrefour de l´Odeón. Metro Odeón.

Le Progrés é um dos bistrôs prediletos da atriz Cristiana Reali. 7, Rue des Frères.

Zaganin - nesse bistro parisiense, com decoração dos anos 40, o brunch é um absurdo de tudo de bom e gostoso. A partir de 11:30h aos sábados e domingos, formule a 18 euros. Perto de Pigalle. É bom reservar. 81, Rue de Rochechouart. Metro Anvers. Tel: 0148781270

Le Rouge Passion - esse bistro inova às terças feiras, à noite, com o "cardápio dos indecisos". Por 29 euros, são servidas pequenas (mesmo) porções de vários itens do menu para degustação. Uma graça. 14, Rue Jean-Baptiste Pigalle. Também bem avaliado no almoço. Como é pequeno, é aconselhável reservar. Programão para depois do teatro. Segunda a sexta de meio dia às 14:30h. A formule do almoço é em torno de 20 euros. Para jantar abre de terça a sábado, consulte os horários no site. Metro Trinité-d´Estienne d´Orves ou Metro Saint George ou Metro Pigalle ou Metro Blanche. Tel: 01 42 850762

A região de Pigalle é conhecida pela sex shops e casas de striptease. Ali fica o Museu do Erotismo com 7 andares. 72 Boulevard de Clichy.

Moulin Rouge - cabaré famoso desde 1889 pelo cancã que é apresentado até hoje. Um espetáculo quase pirotécnico hoje em dia. O ingresso não é barato. 82 Boulevard de Clichy. Metro Blanche. 

COMO CHEGAR:

Aeroporto de Orly - fica a 14 quilometros de Paris.

Aeroporto Charles de Gaulle - é o maior aeroporto da França. Fica a 25 quilometros de Paris.

O Roissybus é o ônibus que faz a conexão com o aeroporto Charles de Gaulle e funciona super bem. O ponto central é logo atrás do Opéra. Se você tem pouca bagagem, vale a pena. A passagem é comprada dentro do ônibus, com o chofer. Você vai levar em torno de uma hora até o Opéra.

Les Cars são os ônibus da Air France que saem do aeroporto Charles de Gaulle para o Centro de Paris. Podem ser utilizados por qualquer passageiro. São quatro linhas que tem como destinos: Gare de Lyon, Gare Montparnasse, Invalides, Arco do Triunfo e Porte Maillot. O ticket pode ser comprado no balcão do Cars Air France ou dentro do ônibus.

Orlybus - como o Roissybus faz o trajeto aeroporto de Orly até o centro. O ponto final é em Denfert-Rochereau. O ticket custa em torno de 6 a 7 euros.

Shuttle - pela economia, em relação ao táxi, acaba sendo uma ótima opção para quem viaja sozinho ou em grupos pequenos. É melhor reservar com antecedência. Sites: www.paris-airport-shuttle.com.  Uns 20 euros por pessoa.

Táxi - uns 50 euros do aeroporto Charles de Gaulle até o Centro de Paris, mais a gorjeta de 15%.

DICAS:

Consulte os horários dos museus no Pariscope. Eles fecham alguns dias da semana. E também procure saber se menores de 18 anos tem entrada gratuita. Quando fui com meu filho, antes dele completar 18 anos, não pagamos ingressos em muitos lugares.

Os restaurantes trabalham com almoço executivo, que chamam de "Formule". O preço é sempre melhor.

De Metrô você vai a qualquer lugar em Paris. Se puder, evite a estação Chatelet, conexão para a maioria das linhas. É tão grande que fica muito confusa. São 16 linhas e 302 estações. O RER é uma rede trens integrada ao metrô e conta com 5 linhas (A, B, C, D e E). As Zonas 1 e 2 são dentro dos limites de Paris. A cartela com 10 bilhetes também vale para o RER.

Os Ônibus tem janelões panorâmicos. Se você não estiver com pressa, é um passeio. Claro, fora da hora do rush. Vale o mesmo bilhete do metro. Se comprar dentro do ônibus com o motorista, é mais caro. 

Se você arranha um bonjour, tente se comunicar em francês. O parisiense vai admirar o seu esforço e ser mais simpático.

Não tenha vergonha de sentar nos restaurantes e pedir um café. Isso é muito francês. E ótimo para conhecer lugares lindos sem pagar muito.

Ratos são cidadãos parisienses, não se assuste. Ainda não vi nenhum, graças!

O Paris Museum Pass dá direito a entrar em todos os museus sem enfrentar filas. À venda em lojas como FNAC, Virgin e nos postos de turismo.

NUNCA jogue fora os tickets de metro ou RER, antes da sua viagem terminar. A qualquer momento, o fiscal pode aparecer do nada e pedir para ver o bilhete. A multa é bem carinha.

Para viajar de metro o dia inteiro compre o passe Mobilis, 7 euros por 24h.

Para uma semana compre o card Navigo, 10 euros cada, mais 21,25 euros para andar quanto quiser dentro das zonas de 1 a 5, com direito ao funicular de Montmartre e outros benefícios. Pode ser adquirido nas estações de metro. (preço de Junho de 2016)


OUTROS:

Em qualquer banca de jornal vendem o cartão telefonico para ligar para o Brasil. É muito mais barato ligar das lojas de Internet. Tem um monte espalhadas pela cidade.

Se quiser ligar a cobrar o número da Embratel é 0800 990 055. 

Compras acima de 175 euros dão direito ao Tax Free. Leve seu passaporte, preencha o formulário na própria loja na hora da compra. Antes de embarcar, leve o formulário e as notas fiscais ao balcão do Tax Free (Refund) no aeroporto. Você pode escolher entre receber os 12% do valor da compra, em dinheiro, na hora ou na fatura do cartão de crédito (especificado no formulário). Dizem que eles pedem para ver as compras, comigo nunca aconteceu. Chegue bem antes, sempre tem fila. 

Pour commander un táxi – 0147394739 – chega no horário, vai e vem do aeroporto e, avisando que tem bagagem, eles mandam um super carro. Se você não domina a língua, peça para um francês agendar o táxi. 
Na volta, o rapaz do hotel nos convenceu a pegar uma van por 30 euros – 10 para ele e 20 para o chinês. Foi uma cilada. Melhor pagar um pouco mais e ir de táxi, confortavelmente, sem ficar girando horas pela cidade para pegar as sacoleiras alucinadas.

Maison Balzac - o museu fica na casa onde o escritor famoso por sua "A Comédia Humana" morava. 47 Rue Raynouard. Metro Passy.

Musée Marmottan Monet - é impressionante o acervo acumulado pelo mecenas Jules Marmottan na sua casa do século 19. É a maior coleção do mundo de telas do pintor impressionista, além de obras de Manet, Degas e Renoir. Do metro até lá é uma caminhada gostosa através de um parque onde fica a estátua de Balzac. 2 Rue de Louis-Boilly. Metro La Mouette.

Musée d´Art Modern - a entrada é gratuita para ver a coleção com obras de Picasso e Maurice Vlaminck. 11 Avenue du Président Wilson. 

Batobus - como o nome diz, é um ônibus-barco, que faz o trajeto pelo Rio Senna e pára em vários pontos da cidade. Com um ticket, você pode embarcar e desembarcar quantas vezes quiser, no mesmo dia. É um passeio gostoso, mas para um dia. O bom mesmo é flanar em Paris. www.batobus.com

Passeio no Batobus
O La Vallée Village Outlet é ótimo, qualidade e bom preço. A Cityrama cobra 22 euros para levar e trazer de van. A viagem dura mais ou menos 1 hora. Cityrama - 2, rue de Piramydes – sai às 9:30h da manhã de Paris e do outlet às 3h da tarde. São 4 horas de compras, seja rápida. Metro Tuileries ou Palais Royal - Musèe du Louvre ou Pyramides. www.cityrama.com ou pariscityvision.com

A PC City tem tudo para computador e máquinas fotográficas. 71, Boulevard Saint Germain.

Marché Aux Puces de Saint-Ouen, inaugurado em 1885, é o maior e mais famoso Mercado de Pulgas do mundo inteiro. São 13 mercados com centenas de barracas vendendo de tudo muito. A Rue Serpette é famosa pelas bijouterias, jóias e acessórios. Aos sábados, domingos e segundas, de 9 às 18h. Metro Porte de Clignancourt.

Há anos, comprei um casaco de couro lindo e com um preço excelente para o meu filho. Como esperança é a última que morre, vou anotar o endereço para ir na próxima viagem. Simonely - 14, Rue du Rivoli. Achei um novo endereço para esta loja: 18 Rue de Mogador. Tenho que verificar. Atrás da Lafayette Homme. 

O passeio do Canal Saint Martin demora muito, é meio cilada. Duas horas e meia passando por eclusas até chegar ao Parc de La Villette. Crianças famintas urrando dentro do barco, uma coisa chatíssima. Se você quiser experimentar, entre no site do Canauxrama. O embarque é no 13, Quai de la Loire, perto da Place de La Bastille. www.canauxrama.com

Na região do Canal Saint Martin tres casas coloridas abrigam a Antoine et Lilli, uma boutique voltada para roupas e acessórios, crianças e objetos de decoração. 95 Quai de Valmy. Metro Republique. 

Na mesma região várias lojinhas simpáticas como a Bensimon, que tem os famosos tênis Conga coloridos e estampados. 83, Quai de Valmy. Metro Republique.

Fundação Cartier - nesse prédio moderno de vidro e aço acontecem várias mostras de artistas contemporâneos. 261 Boulevard Raspail. Metro Raspail. 

O Parc de La Villette é bárbaro, tem sempre uma exposição legal na Cité des Sciences et de L´índustrie (Museu da Ciência e da Tecnologia) e várias atividades educativas. A Géoda, uma imensa esfera geodésica, com um telão 360º de 1000m², passa filmes sobre natureza, viagens, espaço. Este é um programa para toooodas as idades. 30, Avenue Corentin-Carion. Metrô Parc de La Villette.  Salta em frente. www.cite-sciences.fr

As crianças também vão adorar a Disneyland Paris, que, embora infinitamente menor do que a prima gringa, tem 2 parques para diversão dos pequenos: Disneyland e Walt Disney Studios. Disneyland é dividida em 5 áreas, Main Street, Frontierland, Adventureland, Discovery Land e Fantasyland, com atrações como Piratas do Caribe, Indiana Jones, Peter Pan e Alice no Pais das Maravilhas. Walt Disney Studios tem as atrações do cinema como Toy Story e Alladim. É longe, você precisa pegar o RER na estação de metro Nation. São 35 minutos até Marne-la-Vallée/Chessy. A Cityrama leva até lá. Um ônibus da Disney parte de 4 pontos de Paris: Gare du Nord, Opéra, Madeleine e Chatelet. Dentro do complexo existe um Rainforest Café, ótimo para uma pausa na programação. Outro restaurante indicado é o Aubergue du Cendrillon. Confira os horários e eventos no site www.disneylandparis.com.

Sou fã de Asterix e Obelix desde menina, mas ainda não consegui ir ao Parc Asterix. É uma reprodução da aldeia gaulesa e seus habitantes. Fica a 40 minutos de Paris. No site eles dão várias opções de itinerário. Você pode pegar o ônibus do parque no ponto ao lado do Metro Palais-Royal, no Louvre. www.parcasterix.fr. O Parc Asterix não abre no inverno.

Meu filho adorou assistir a um jogo do Paris Saint Germain no estádio do próprio, o Parc des Princes, um dos maiores da França, com capacidade para 60 mil pessoas. O time, onde Ronaldinho foi artilheiro, é o mais popular do país, apelidado carinhosamente de PSG. Você também pode fazer uma visita ao estádio, consulte os horários no site. www.psg.fr. 24, Rue du Commandant Guilbaud. Metro linha 9, estação Port de St. Cloud. Metro linha 10, estação Port d´Auteuill.

O Favela Chic é um misto de bar e balada para todas as idades. Os donos são brasileiros e o clima é hiper informal. Jante antes de ir, a comida é cara e apenas razoável. 18, Rue du Faubourg du Temple. Metro Republique.

A Tour Eiffel é passeio obrigatório para turistas de primeira viagem. De dia ou à noite, suba os 180 metros, por um dos 3 elevadores, até o terceiro andar. No segundo andar, é preciso trocar de elevador. Quando venta muito, eles fecham o andar mais alto. Se quiser, pode subir de escadas até o segundo andar, não aconselho. Evite as intermináveis filas comprando seu ingresso online pelo toureiffel.fr. O ingresso é com hora marcada, faça um esforço e vá ao por do sol, você não vai se arrepender. Preste atenção porque a entrada é por uma fila separada das outras. Você pode comprar vários ingressos de uma vez, mas o comprador tem que estar entre os visitantes. 
No primeiro andar, o 58 Tour Eiffel é um restaurante com pratos ligeiros e saborosos. Todo envidraçado, põe Paris a seus pés. 
O Jules Verne, no segundo andar, já é uma experiência gastronômica com culinária contemporânea. 
Um bar à Champagne na parte superior da torre convida a um pit stop.
No segundo andar, você pode fazer um lanche rápido nas lanchonetes. E se extasiar com a vista de toda Paris. 
No primeiro andar, uma exposição detalha a construção e o funcionamento da torre. 
No inverno, leve ou alugue patins, para deslizar pela pista de patinação montada ali.
Consulte o site antes de ir, às vezes, o funcionamento dos elevadores é prejudicado, o que provoca filas enormes e pouca oferta online. Metro linha 6, estação Bir-Hakeim. Você vai andar um pouco até a torre. Veja o caminho na estação. Metro linha 9, estação Trocadero. Vai deixar você do outro lado do Sena. Caminhe pelo Jardin du Trocadero e atravesse para a torre. Metro École Militaire. Também uma caminhada até a Torre. O batobus faz ponto perto da torre.

O Café Constant fica no 139, Rue Saint Dominique. O ambiente é gostosinho e a comida deliciosa, e com preço justo, é preparada pelo chef Eduardo Jacinto. Eduardo é brasileiro, sócio de Christian Constant, dono de outros restaurantes na mesma rua, o Les Fables de La Fontaine, o Les Cocottes e o Le Violon d´Ingres.

Dizem que o por do sol mais romântico e bonito de Paris é na Pont dês Arts, não vi. Se estiver por perto....

PARA QUEM GOSTA, SABE OU SE ARRISCA A COZINHAR:

A MORA é uma loja de utensílios para cozinha fundada em 1814. Com mais de 5000 itens no catálogo, é uma das mais famosas da cidade. Rue Montmartre 13. Tel: 01 45 081924
La Bovida - 36, rue Montmartre. Tel: 01 42 360999. www.labovida.com. De segunda a sábado de 10h às 19h.
Dehilerin - 18, rue Coquillière. Tel: 01 42 365313. www.e-dehillerin.fr. De terça a sábado de 9h às 18h. Segundas de 9h às 12:30h e de 14h às 18h. Fecha domingos e feriados.
Simon A - 48/52, rue Montmartre. Tel: 01 42 337165.
Supermercados G20 - são vários espalhados por toda Paris.

ONDE COMER:

Eric Kayser - o rei das baguetes e dos pães deliciosos de todos os tipos. São 14 endereços em Paris. 18 Rue du Bac. Metro Rue du Bac.

Kong - o chef Laurent Taieb instalou seu modernérrimo restaurante no último andar da loja do Kenzo. A decoração by Starck, num estilo mangá-kitsch, e a cozinha fusion franco-nipônica garantem o charme e o sucesso do lugar. Aberto os 7 dias da semana, no domingo oferece um brunch concorridíssimo no terraço aberto com direito a vista sobre o Sena. 1, Rue du Pont Neuf.

Le Petit Sud Ouest - foie gras, pato e vinhos deliciosos.
46, Avenue de la Bourdonnais. Tel: 01 45555959. Perto da Tour Eiffel.

Bonpoint - no subsolo da loja de roupas infantis um restaurante com pratos saudáveis. 6 Rue de Tournon. Metro Saint Sulpice.

La Savoyarde - cozinha tradicional francesa. 12, Rue Xavier Privas. Quartier Latin.

Le Comptoir du Relais - no almoço as filas são enormes, mas vale a pena esperar pelas delícias do chef Yves Camdeborde, como o atum à la plancha. No jantar o menu de 60 euros precisa ser reservado. 9 Carrefour de L´Odeon. Metro Odeon.

Le Pre Verre - vizinho da Sorbonne tem um ótimo filé de peixe com leite de coco ou o carneiro com sêmola. 8 Rue Thénard.

Le Refuge du Passé - a ambientação kitsch acompanha o famoso cassoulet. Menu du midi e menu du soir entre 18 e 32 euros. Aberto de meio dia às 14:30h e de 19 às 22:30h. 32, Rue du Fer à Moulin. Metro Les Gobelins.

Restaurante da Gande Mesquita - depois de visitar a Grande Mesquita, prove o cuscuz marroquino. 39 Rue Geoffroy-Saint-Hilaire. Metro Jussieu.

Grand Appetit - vegetariano9, Rue La Cerisale. Bastille. Tel: 014 0270495.

Café l´Industrie - no almoço o menu é fixo. Depois do happy hour vira bistrô. Saladas, carpaccios e pratos da cozinha tradicional francesa. 17, Rue Saint-Sabin. Pertinho da Bastille.

Baron Rouge - é um cave au vin totalmente parisiense e com ótimas avaliações no Trip Advisor. 1, Rue Theophile Roussel. perto da Place d´Aligre. Metro Ledru-Roulin

Hippopotamus - é uma rede que se espalha por toda Paris. A carne é decente, os preços são bons. Peça uma "formule" (entrada, prato e, às vezes, sobremesa), sempre sai mais em conta.

Chez Francis - uma bela varanda com vista para a Torre Eiffel. Place Alma.

Le Relais Plaza - dentro do Hotel Plaza Athenée. Consulte o preço do menu degustação, não é tão assustador assim e vale a pena.

Le Royal Vendome - saladinha com queijo de cabra. 26, Rue Deanielle Casanova. Perto do Opéra.

Chartier - desde 1896 tem filas na calçada. Ali se come bem com pouco. Rue du Faubourg-Montmartre. Metro Grands Boulevards.

Rue de Montorgueil - são vários restaurantes.

Le Comptoir Général - um bar bistrô moderninho que vira balada nos finais de semana. Perto da Place de La Republique. 80, Quai de Jemmapes. Metro Goncourt ou Republique.


L´Epicerie du Verre Volé - mistura de bar a vin e bistrô com produtos selecionados e sanduíches gostosos. Segunda de 16 às 20h. Terça a Sábado de 11 às 20:30h. Domingo de 10 às 13h. 54, Rue de La Folie-Mericourt. Metro Parmentier.

Jeanne A: esse misto de mercearia, rotisseria e restaurante, ao lado do restaurante Astier, do mesmo dono, é o lugar perfeito para um almoço relaxante. Os presuntos, entre eles o Pata Negra, queijos da fazenda, cardápio variado, uma carta de vinhos atraente, garantem o sucesso da refeição. Experimente o Foie Gras Maison. Nós pedimos também Poulet "Pattes Noues" de Challons, Gigot d´Agneau de lait, Fondant au Chocolat de sobremesa. Deixe o garçom sugerir o vinho, ele acerta na mosca! Abre também para jantar. 42 rue Jean Pierre Timbaud. Metro Parmentier

Le Chateaubriand - 18º melhor restaurante do mundo, estrela do bistronomique, um dos melhores do mundo segundo a revista Restaurant. O chef basco Inaki Aizpitarte faz fatias de atum com espuma de beterraba e sementes de romã incrivéis. No almoço o menu é metade do preço. Alta culinária com preços acessíveis e ambiente descontraído. Não tente ir sem reservar, está sempre lotado. O menu degustação custa 60 euros. 129, Av. Parmentier. Metro Goncourt.

Les Vinaigriers abriu em 2014. Tem preços mais acessíveis do que o Le Chateaubriand, na mesma região.  42, Rue des Vinaigriers.

Auberge du Clou - bistro bonitinho com carnes da raça Aubrac. Tem formule até 20h! 30, Av. Trudaine. Metro Pigalle

Cul de Poule - decoração dos anos 50 nesse restaurante pequenino com um terraço simpático e comida basca. 53, Rue du Martyrs.

Un Dimanche à Paris - essa é uma das maravilhosas boutiques de chocolate de Paris. Reúne boutique, salão de chá, restaurante em ambiente charmosérrimo que "compartilha a energia do chocolate e seu universo". 4,6,8, Cour du Commerce Saint André. Saint Germain des Prés. Metro Odeon.

Bon - Philippe Starck assina a decoração, o que já é garantia de bom gosto. São vários ambientes, você pode escolher entre a biblioteca, a sala da lareira, ou simplesmente curtir o terraço. Cozinha internacional com clientela chique e moderna. 25, Rue de la Pompe. Metro La Muette.

Milk - com receitas caseiras e decoração aconchegante, esse restaurante simpático fica em Montmartre. 62, Rue d´Orsel - Metro Abbesses.

Le Moulin de la Galette - a cozinha funciona dia e noite e tem mesas ao ar livre. Os pratos tem bom preço. 83 Rue Lepic. Metro Abbesses.

L´Etoile de Montmartre - para refeições com pratos entre 14 e 19 euros ou para tomar um mojito à noite. O creme brulée é crocante como deve ser. 26 Rue Duhesme. Metro Lamarck-Caulaincourt.

Queijos - 12, Rue de Champ de Mars

Cafe Marly - nas arcadas do Louvre, é perfeito para uma taça de champagne depois da visita ao museu. 93, Rue de Rivoli. Metro Palais Royal - Musée du Louvre.

Pizzetta - com decoração meio moderna, meio barroca, tem fama de ser a melhor pizza de Paris. A massa e o carpaccio também são louvados. No verão, peça para sentar no terraço. 22, Av. de Trudaine. Montmartre. Metro Anvers.

Café Lumières - dentro do elegante Hotel Scribe, um dos 5 estrelas de Paris, a cozinha é comandada pelo chef Sebastien Crison. O menu segue os produtos da estação. 1, Rue Scribe. Metro Opéra.

Le Baratin - um bistrô tradicional no bairro chinês judeu de Belleville. 3, Rue Jouye Rouve. Metro Pyrénées.

Le Loir dans la Théière - tem brunch, saladinhas, quiches, doces. 3, Rue des Rosiers. Marais. Metro Saint-Paul.

L´As du Fallafel - dizem que é o melhor fallafel do mundo. 32-34 Rue des Rosiers. Metro Saint-Paul.

Le Petit Marché - tradicional, com formule em torno de 14 euros. 9, Rue du Béarn. Marais. Metro Chemin Vert.

Chez Omar - frequentado por artistas e moderninhos. 47, Rue Bretagne. Marais. Metro Temple.


Café des Musées - o mais famoso do Marais. 49, Rue de Turenne. Marais. Metro Chemin Vert.


Les Vitelloni - se bater a vontade de comida italiana. 4, Rue Dupetit-Thouers. Metro Filles du Calvaire


Kunitoraya - um japonês pequeno e recomendado. Experimente o bento. 39, Rue Sainte-Anne. Metro Pyramides.

La Corte - perto da Place Vendome, esse restaurante fica meio escondidinho. Recomendado pelas massas e pratos da cozinha italiana tradicional. 320, Rue Saint Honoré. Metro Tuileries ou Pyramides.

Fuxia - os restaurantes dessa cadeia são ótimos para um almoço ou jantar rápido ou com crianças. Vários endereços em Paris. 


Cojean - é outra cadeia de restaurantes bons e baratos com vários endereços espalhados pela cidade. www.cojean.fr

Le Stella - uma brasserie chique, com decoração dos anos 50 e excelentes pratos de frutos do mar. Aberta todo o dia. 133, Av. Victor Hugo, esquina com Rue de La Pompe. Metro Victor Hugo ou Rue de La Pompe.

Ferdi - pequenino com alma latina tem cardápio que mistura sabores de todo o mundo. O burguer é exaltado pelos clientes. Não é barato. 32, Rue de Mont-Thabor. Metro Tuileries ou Concorde.

1728 - o imóvel pertenceu ao Marque de Lafayette. O chef Geraldine Rumeau faz uma fusão das culinárias francesa e japonesa. 8 Rue d´Anjou. Metro Concorde.

La Fontaine de Mars - restaurantezinho romântico, perto da Tour Eiffel, é um dos antigos bistros de Paris, fundado em 1908 e até hoje no mesmo endereço. Aberto de meio dia às 23h. Faça reserva. 129, Rue Saint Dominique.Metro École-Militaire. Tel: 01 47 05 48 44.

Betjeman & Barton - fundada em 1919, não é uma casa de chá, é uma instituição parisiense! Para degustar, sem pressa, os melhores chás do mundo. Segunda a sábado, de 10 às 19h. 23. Boulevard Malesherbes. Metro Saint Augustin. 

Brasserie Lipp - frequentada por Hemingway, Camus, Saint Exupery, foi fundada em 1880. Super tradicional tem uma comida gostosinha e fica aberta o dia todo até às 2 da manhã. 151, Boulevard Saint Germain.

New China Tour - escondidinho no meio de um condomínio habitado por chineses, vietnamitas e coreanos, esse restaurante oferece um pato laqueado delicioso! Fomos com uma amiga que mora há mais de 20 anos em Paris. Ela pediu Neme, Canard Pekin (45 euros) e vinho. Um espetáculo! se estiver fechado, tente outro, são vários e muito bons. Centre Comercial Olimpiades, acesso pela escada entre o 103 e o 105 da Rue Tolbiac. Ou pela escada perto do estádio 66, Av. d´Ivry. Bem perto do mercado Tang Frères, que fica no 48 da Rue d´Ivry. Metro Place d´Ivry.

Au Pied de Cochon - brasserie que fica aberta 24h. Enorme, com capacidade para mais de 300 pessoas, oferece pratos tradicionais. 6 Rue Coquillière. Metro Chatelet.

Bistro Victoire - clássicos franceses como o confit de canard e o creme brulee. 6 Rue de la Vrillière. Metro Bourse.

Le Fumoir - das 6 às 8 da noite o bar fica lotado. O restaurante é asiático. Rue de l´Amiral-Coligny. Metro Louvre-Rivoli.

À L´Ami Pierre - bistrô simpático com vinhos a preços justos, servidos au compteur - abre-se a garrafa e se paga quanto beber. 5 Rue de la Main-d´Or. Metro Bastille.

Chez Prune - esse bistrô fica aberto até mais tarde e a cozinha não fecha às 11 da noite. 36 Rue de Beaupaire. Metro Republique.

Bistrot du Dôme - mais econômico que o vizinho Le Dôme é bom para provar frutos do mar. 1, Rue Delambre. Matro Vavin.

Le Dôme - decoração art déco e a melhor sole meunière da França. 108, Boulevard du Montparnasse. Metro Vavin.

La Quin Cave - são 180 diferentes rótulos de vinho com boa relação custo/benefício. 17 Rue Bréa. Metro Vavin.

La Coupole - desde 1927 essa brasserie de 1000 metros quadrados é um sucesso, desde que Hemingway e Picasso andaram por ali. Sartre e Simone de Beauvoir sentavam na mesa 149. 102 Boulevard du Montparnasse. Metro Vavin.

Rue de Montparnasse - dez creperias em um só quarteirão. Josselin, no número 67, Creperie du Pont Aven, no número 54.

Les Zygomates - antigo açougue no início do século 20, o chef Christophe Bron manteve a autencidade da casa. Menus a 26 euros. 7 Rue de Capri. Metro Daumesmil.

Les Temps des Cerises - concorridíssimo à noite, é ligado a uma cooperativa de produtores desde 1976, o que barateia o preço. 18-20 Rue de la Butte-aux-Cailles. Metro Place d´Italie.

Sukhothai - tailandês no coração do bairro asiático do 13éme. A salada de camarões com citrone tem camarões graúdos e folhas de hortelã. Menus entre 25 e 35 euros. 12 Rue Père Guérin. Metro Place d´Italie.

Le Train Bleu - a decoração suntuosa é um espetáculo. Construido para a Exposição Universal de 1900, fica dentro da Gare de Lyon e é tombado. Menus a partir de 60 euros. Place Louis ARmand, 1º andar. Metro Gare de Lyon.

Le Relais de L´Entrecôte - só serve um prato: entrecote com fritas, mas as sobremesas são um escândalo. 15 Rue Marbeuf. Metro Alma-Marceau.

Tasca - saudades das delícias portuguesas? No Tasca, no Marais, esse restaurante oferece produtos de Portugal. Desde a decoração aos queijos e fiambres, pastéis e saladas, tudo lembra a terrinha. 37 Rue Roi de Sicile. Marais.

La Chambre aux Oiseaux - de vó para neta tem brunch aos domingos por 19 euros. Na região do Canal San Martin.

ONDE FICAR:

Hotel Campanille Bastille - um duas estrelas bem avaliado no Trip Advisor. 9, rue du Chemin Vert. Perto da Gare du Lyon, entre a Bastille e o Marais. 
Hotel Caron de Beaumarchais - 12, Rue Vieille du Temple. Marais. Super bem localizado e com ótimas avaliações. 
Hotel Paris Roma - algumas amigas do meu filho, que estudavam em Bristol, na Inglaterra, ficaram neste hotel. Segundo o Trip Advisor, é bem localizado, simples, básico. Peça para ficar na parte renovada. 4, Rue de Provence. 
Hotel Bonaparte - um duas estrelas bem avaliado e com localização excelente! 61, Rue Bonaparte, perto da Igreja de Saint Sulpice. 
Hotel Molière - três estrelas bem perto do Louvre! 21, Rue Molière. 
Hotel Cambon - 3, Rue Cambon. Perto da Place de La Concorde. www.hotelcambon.com. Reservando com pelo menos 15 dias de antecedência, o desconto vale a pena.
Hotel du Lion - básico, limpo, na região de Montparnasse. Os preços são bons e fica perto de estações de metro. 1, Av. du General Leclerc. 
Hotel L´Emile - é um hotel boutique bem no centro do Marais. São 29 quartos, decorados com charme e simplicidade. A partir de 135 euros para o casal. 2, Rue Mahler. Metro Saint Paul
Hotel du Continent - num dos quarteirões mais chiques de Paris está esse hotel confortável com preço razoável. Em torno de 220 euros o casal. Fica no nº 30, Rue du Mont Thabor.
Família Hotel - o ponto alto, a partir das avaliações no Trip Advisor, é a localização. Os quartos são bem pequenos, mas o custo/benefício é bom. 11, Rue des Écoles. 75005. Quartier Latin.
Hotel Palym - esse duas estrelas surpreende, é bem localizado, bem perto da Gare du Lyon com metrô para toda a cidade. Muito simples, mas limpo, com uma equipe profissional, tem ótimas avaliações no Trip Advisor. Nós ficamos lá só uma noite, mas foi tudo dentro da expectativa. 4, Rue Emile Gilbert. 75012.Veja as avaliações.
Hotel des Arennes - tradicional, muito bem localizado entre duas estações de metro e perto da Rue Mouffetard. Os quartos não são grandes, e o pessoal não é lá essa simpatia, mas vale pela localização. O melhor preço que eu consegui foi mandando um email direto para o site do hotel. 51, Rue Monge. 75005.
Hotel Malte Opera - super bem localizado, os quartos são pequenos, mas confortáveis. Tome um café no pátio interno. 63 Rue de Richelieu. Metro Palais Royal.
Hotel Jeanne D´Arc - pequeno, charmoso, no coração do Marais tem diárias desde 70 euros. 3 Rue de Jarente. Metro Saint Paul.
Hotel Residence Henri IV - ótimo para quem viaja com crianças, os quartos são dotados de minicozinha com fogão e geladeira. 50 Rue des Bernardins. Metro Maubert-Mutualité.
Hotel de Nesle - simples, mas charmoso, a decoração é inspirada nos escritores franceses com quase todos os quartos com vista para o jardim. Escolha um quarto com chuveiro, alguns não tem. Não tem elevador, nem telefones nos quartos. 7 Rue de Nesle. Metro Odeon.
Hotel Eldorado - barato e confortável tem um terraço atraente. 18 Rue des Dames. Metro Place de Clichy.
Montclair Hostel - nos fundos de Montmartre é um albergue moderno. 62 Rue Ramey. Metro Jules Joffrin.
Paris Gare de L´Est - enter o Canal Saint Martin e a estação Gare de L´Est tem TV, ar condicionado, internet e secador de cabelos. Diárias desde 67 euros. 27 Rue des Recoletts. Metro Gare de L´Est.
Claret - essa antiga estrebaria foi totalmente reformada e se transformou num hotel 3 estrelas charmosérrimo. Não tem luxo, mas é limpo e bem equipado. A internet é gratuita. Ao lado do Metro Bercy. 44 Boulevard de Bercy.
Hotel La Manufacture - são 56 quartos elegantes e alguns tem vista para a Torre Eiffel. Diárias desde 60 euros. 8 Rue Philippe de Champagne. Metro Place d´Italie.
Four Seasons George V - emblemático, chiquérrimo, inaugurado em 1928 tem decoração art déco e serviços exclusivos. 31 Avenue George V. Metro George V. Diárias desde 1090 euros.
D´Albion - fica na mesma região chique do Four Seasons, mas não se gasta tanto. No verão, o café da manhã é servido no jardim interno. Diárias desde 90 euros. 15 Rue de Penthievre. Metro Champs Elysées Clemenceau.
Citadines Saint Germain - de frente para o Sena e perto de 3 estações de metrô é muito bem localizado. O hotel na Rive Gauche, tem apartamentos com frigobar, torradeira e microondas. Metro Saint-Michel.

Aluguel de apartamentos:
www.airbnb.com
www.windu.com
Private Homes - reservas em portugues com Daniela pelo email reservations@private-homes.com

SAINDO DE PARIS:

Fontainebleu é pertinho, pega o RER na Gare du Lyon, a passagem custa em torno de 20 euros, ida e volta. O Chatêau de Fontainebleu é bonito e a cidade gracinha. Dá para pegar o ônibus para o Chatêau na Gare, ver o Chatêau e descer pela rua principal da cidade. Almoçar e voltar.

Blois é uma cidade medieval, mas é um pouco mais longe, fica a 2 horas de Paris. Faz parte do post do Vale do Loire. O Chateau de Blois é um espetáculo. 

Versailles é do lado. O RER sai da Gare d´Austerlitz e a passagem custa em torno de 12 euros, ida e volta.
Em Versailles vale pegar o trenzinho para o Grand e o Petit Trianon, eles ficam longe do Chateau. Audio guide sempre.

2 comentários:

  1. Fantástico, tudo com detalhes! Adorei

    ResponderExcluir
  2. Desta vez, sim, anotei tudo, e não vou perder. Em julho vou checar tudo!

    ResponderExcluir

Compartilhe sua opinião conosco! Deixe seu comentário e sugestões, nós vamos adorar!