Siga por email

TRANSLATE HERE

domingo, 23 de setembro de 2012

PARATY, no tempo do Rei.

Há alguns anos não íamos a Paraty, uma pequena e acolhedora cidadezinha ao sul do estado do Rio de Janeiro, Patrimônio Histórico Nacional. A viagem, prevista para durar 3 horas e meia, durou 5 horas por causa do trânsito absurdo. Já na Lagoa, zona sul do Rio, os carros pararam no engarrafamento cotidiano até a Barra. Depois, novamente engarrafados em Santa Cruz, na zona oeste do Rio. Sinceramente, não é concebível que a estrada para um dos lugares mais turísticos do estado não tenha um acesso direto, viável, sem passar por ruas com asfalto precário, no meio do trânsito caótico de ônibus e caminhões. A estrada para Paraty também não ajudou, com obras em vários trechos. Foi por água abaixo a previsão de chegar no início da noite. Às nove horas conseguimos parar o carro para procurar uma pousada.

Paraty
Estacionamos no Centro Histórico, depois de passar pela entrada da cidade, um mafuá urbano, mas tudo vale a pena quando se pisa nas pedras irregulares do antigo porto colonial.

Paraty era ponto estratégico na rota das Geraes para Portugal. Pelo seu porto escoavam o ouro e pedras preciosas que a pátria mãe "recolhia" das nossas verdes matas. E os engenhos de cana de açúcar mantinham a soberania econômica. Com os inúmeros ataques piratas, a rota dos navios foi transferida e a cidade perdeu seu status, ficando abandonada até a década de 70, quando, com a abertura da estrada Rio-Santos, começou a explorar seu potencial turístico.

A cidade de Paraty foi fundada em 1667 ao redor da Igreja Nossa Senhora dos Remédios.  A Matriz foi inaugurada em 1787, mas não chegou a ser concluída. De estilo neoclássico, as torres não foram terminadas, são desproporcionais ao tamanho da igreja. Ficou uma coisa meio cotó. Mesmo assim, ela enobrece a Praça principal, onde se concentram várias pousadas.

Igreja Matriz sem as torres.
A Pousada da Marquesa, construção do século 18, em frente à Igreja, do outro lado da Praça, é bem pontuada nos sites de avaliação, mas a diária de 400 reais para uma noite de meio de semana não nos atraiu. Rua Dona Geralda, 99. Telefone: 24 33711263. www.pousadamarquesa.com.br.

Pousada da Marquesa na Praça da Matriz.
 Ao lado, a Pousada dos Gerânios, bem mais simples, com diária a 150 reais, estava lotada.

Pousada dos Gerânios na Praça da Matriz
Na rua de trás da Igreja, a Pousada Porto Imperial, um casarão colonial do início do século 19, completamente restaurado,  irradiava simpatia. A diária de 400 reais na recepção foi reduzida para 270 reais, valor postado na internet e respeitado pelo recepcionista. Imediatamente, mandaram buscar as malas e recolheram nosso carro ao estacionamento.
Primeira "casa de ópera", como era chamado o teatro da cidade, foi cenário do baile de comemoração da Independência do Brasil. Todos os quartos da Porto Imperial têm nome de brasileiras famosas, tanto no térreo como no primeiro andar. No caminho do nosso, o Dona Beja, passamos pela varanda, sala de massagem, sala de leitura, e pela linda piscina iluminada. Acertamos na escolha, a pousada faz parte do Roteiros de Charme. Rua Tenente Francisco, s/no. Telefone: (24) 33712323. www.portoimperial.com.br.

Salão da Pousada Porto Imperial
Piscina da Pousada Porto Imperial
Quarto Standard da Pousada Porto Imperial. Bem espartano, mas confortável.
O quarto standard é simples, limpo e confortável. Deixamos as malas e fomos procurar um restaurante para a primeira refeição do dia!

Não andamos muito. Logo ao lado, as singelas luzinhas na porta nos atraíram para o Porto. Pequeno, aconchegante, com garçonetes simpáticas e preparadas, tinha uma carta de vinhos interessante e cardápio curioso. Pedimos um chileno Carmen, um ravioli de gorgonzola com banana passa, um carpaccio de carne, tudo muito saboroso. Sentamos à beira da janela e, enfim, brindamos à lua crescente que nos sorria lá de cima. Rua do Comércio, 18. Telefone: (24) 33711058.

Porto Restaurante
Ao lado, o Aconchego Grill parecia uma boa opção para ávidos por um belo steak. Rua do Comércio, 10. Telefone: (24) 33716175.

Aconchego Grill
No dia seguinte, flanamos pela cidade, depois de um deeeelicioso café da manhã com jeito carioca e sabor mineiro. Saudades da coalhada...

O café da manhã da Porto Imperial e o garçom gentil
Paraty é um carinho na estrada Rio-Santos. Prima-irmã de Tiradentes, conserva o mesmo vagar da parente próxima. O calçamento com pedras pé-de-moleque impõe ao visitante o ritmo local. Esqueça o saltinho, a havaiana, e aposte no velho tênis.

De salto é impossível!
O casario, datado do início do século 19, foi construído sob rígido controle, regulamentado por lei. Ai de quem desobedecesse, pagaria uma fortuna em multas e poderia ser preso. O resultado é uma harmonia encantadora de beleza admirável. Não à tôa, o Centro Histórico, tombado pelo IPHAN, é considerado pela Unesco como o "conjunto arquitetônico colonial mais harmonioso". Durante o passeio nos deparamos com várias casas sendo restauradas. Preste atenção nos símbolos e ornamentos da maçonaria espalhados nas fachadas pela cidade - o triângulo maçon, o dossel (cobertura ornamental), os cunhais de pedra.

Cores do Casario

Parecem casas de boneca.
O comércio no Centro Histórico ocupa várias das casas coloniais, fazendo com que cada lojinha tenha seu charme. Restaurantes, sorveterias, artesanato, roupas femininas, infantis, parecem mais  sedutores emoldurados pela arquitetura histórica. Você vai encontrar de tudo: desde camisetas a 200 reais na Richards, até as de 10 reais com estampas reproduzindo marcos da cidade. Desde o restaurante estrelado ao barzinho simpático para o chopp do fim de tarde.

A Arte Brasil é uma dessas lojas que não dá para não entrar. Uma fartura de bom gosto em objetos de decoração, lenços, roupas e incríveis chemises estampados de origem indiana, lindos! Comprei uma charmosa echarpe rosa de bolinhas brancas e um vestido ótimo para uma tarde fresquinha. Preste atenção no cunhal de pedra, símbolo maçônico. Rua Santa Rita, 2. Telefone: (24) 33712534.

Arte Brasil
Tentações da Arte Brasil
A Ave Maria ocupa uma dessas casinhas adoráveis. Infelizmente, estava fechada. Ali, eu sempre encontro roupas com um toque diferente, bem ao meu estilo. Rua do Comércio, 308. Telefone:  (24) 33710118. www.lojaavemaria.com.br.

Artesanato e à esquerda a Ave Maria fechada no final da manhã de quinta feira.
A Casa da Cultura foi construída em 1794 e, segundo a UNESCO, é o sobrado mais representativo da arquitetura do século 18. Exibe na fachada os cunhais subdivididos em quadrados, influência da maçonaria. Atualmente exibe exposições temporárias e uma exposição permanente com a grife Bia Lessa. Rua Dona Geralda. Telefone: (24) 33712325.

Casa da Cultura ao lado da Casa da Música
Exposição na Casa da Cultura
A mais antiga igreja de Paraty é a Igreja de Santa Rita, construída em 1722 por "pardos libertos". Cartão postal da cidade, abriga o Museu de Arte Sacra. O aspecto é de abandono, mas nos garantiram que vai ser restaurada.

Igreja de Santa Rita bem maltratada
A Igreja de Nossa Senhora das Dores ou Capela das Dores, construída em 1800, era reservada aos aristocratas. Apenas uma de suas duas torres foi concluída. Passou por um período de abandono e foi restaurada em 1901 pela Irmandade Nossa Senhora das Dores, formada só por mulheres. Note o rendilhado das sacadas internas.

Capela das Dores
Já a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito era destinada aos escravos que ajudaram na sua construção e foi concluída em 1757. Nos altares de São Benedito e São João Baptista está a mais importante talha de Paraty. Em Novembro, acontece a Festa dos Santos com procissão e as figuras do Rei e da Rainha, as Folias e o mastro com imagens de santos. Fica na Rua do Comércio.

Infelizmente, o trânsito da ida nos atrasou tanto que perdemos a apresentação do Teatro de Bonecos do Marcos Ribas, sede do Grupo Contadores de Histórias, um dos mais importantes grupos de teatro de bonecos do Brasil, com currículo internacional. Os espetáculos acontecem às quartas e sábados às 21h. Nos feriados e alta temporada também às sextas e sábados. O Teatro Espaço apresenta concertos de música popular e erudita, teatro e dança. Rua Dona Geralda, 327. Telefone (24) 33711161.

Teatro Sede dos Contadores de Histórias
O artesanato de Paraty é riquíssimo, desde cestos, pilões, peças em taquara e bambu, gamelas de madeira, até tapetes, colchas, bonecas de pano, flores de papel, cerâmica, pinturas, máscaras, roupas e o que mais se pode imaginar. Dezenas de lojinhas espalhadas pelo centro e pela orla marítima.

Artesão fazendo bolsas de lona.
Atelier
Armazém do Artesão
Paraty é uma cidade que tem tudo para todos. Atividades para todas as idades, para quem gosta de aventura, para quem só quer relaxar, para ávidos por sol, boêmios de carteirinha. Qualquer época do ano é perfeita para visitar a cidade.
A ausência de carros no Centro Histórico torna o passeio ainda mais agradável. Só cuidado com a lua cheia! Ela não gosta de turistas. Ciumenta, comanda as marés para que inundem as ruas da orla. Evite ou tire a galocha do armário. Os locais trocam a bicicleta por canoas, acostumados ao capricho do nosso satélite vaidoso.
Barcos de aluguel
Infelizmente, tínhamos que pegar a estrada. Antes, tomamos uma água de coco na beira do cais. A brisa marinha, o vento refrescante, a paisagem de cinema, insistiam para que ficássemos.

Cais
Com o coração apertado, rumamos para Ubatuba, a 72km, nossa próxima parada antes de São Paulo.

OUTROS:

FORTE DEFENSOR PERPÉTUO - construído no Morro do Forte em 1703 tinha posição estratégica na defesa da cidade. Trincheiras, celas e a Casa da Pólvora estão abertas à visitação.
QUARTEL DA PATIBA - ali antigamente funcionava a Cadeia Pública. Hoje existe o Instituto Histórico e Artístico e a Biblioteca Municipal. Largo de Santa Rita.

COMO CHEGAR:

Do Rio de Janeiro - 236km
de carro - Rodovia BR101 (Rio/Santos)
De São Paulo - 285km
de carro - Rodovia Ayrton Senna, Rodovia Carvalho Pinto, depois Rodovia dos Tamoios até a BR101 (Rio/Santos) ou
pela Rodovia Ayrton Senna, Rodovia Carvalho Pinto até Taubaté e pegar a Osvaldo Cruz até a BR101 (Rio/Santos) - é uma pouco mais longe, 293km

RESTAURANTES:

Caminho do Ouro - em outra viagem a Paraty escolhemos esse restaurante e foi um acerto. Experimente o palmito pupunha grelhado com amendoas, manjericão e azeite. O Risoto de Abóbora com alho poró e queijo é uma delícia! Rua Dr. Samuel Costa 236. Telefone: (24) 33711689
Banana da Terra - a Chef Ana Bueno faz uma delicada mistura de temperos na cozinha caiçara. Rua Doutor Samuel Costa, 14. Telefone: (24) 33711725.
Punto di Vino - casa de massas com música ao vivo. Praça da Matriz. Telefone: (24) 33711348.
Bendita´s Restaurante - com quatro ambientes harmoniza gastronomia e arte. Rua Dr. Samuel Costa, 267. Telefone: (24) 33711445.
Hiltinho - na Ilha do Algodão, acesso só por barco/escuna.
Refúgio - na beira do cais, com um lounge confortável, super convida à preguiça. Alguns clientes elogiam a comida e o atendimento dos garçons, mas reclamam da arrogância da proprietária. Coisa feia, minha senhora. Praça da Bandeira, 4. Cais. Telefone: (24) 33712447.
Ice Paraty - sorveteria instalada num casarão de 1900.
Quintal - restaurante da chef Claudia Mascarenhas com cardápio brasileiro de produtos locais. A Luciana Fróes, do Globo, indica o waffle com massa de pão de queijo e o dadinho de tapioca com geléia de pimenta. A moqueca de peixe caiçara, chips de linguiça com farofa e molho de mostarda, dão água na boca. Faz parte da Pousada Literária.
Livraria das Marés - com arquitetura da Bel Lobo tem 4000 títulos de livros e uma cafeteria com cardápio assinado pelo chef Fred De Maeyer, do Eça.
Thay Paraty - no bairro Cabrorê é um bom restaurante de comida tailandesa.

Ao redor da Praça da Matriz vários restaurantes e barzinhos ficam abertos até tarde.
PASSEIOS:

CAMINHO DO OURO/ESTRADA REAL - estrada construída pelos escravos no século 17 que ligava Minas Geraes a Rio de Janeiro e São Paulo, no chamado "Ciclo do Ouro". Dentro da Mata Atlântica do Parque Nacional da Serra da Bocaina, está relativamente preservada. A visitação só é permitida com guias autorizados.
FESTIVAL DA CACHAÇA - em Agosto. Os alambiques fazem parte da economia de Paraty desde 1700, quando os engenhos de cana-de-açucar imperavam. A aguardente de cana produzida na cidade ficou tão famosa que "paraty" virou sinônimo de cachaça. Dos mais de 100 alambiques, hoje restam apenas 7. Alguns, como o Engenho d´Ouro, são abertos à visitação e tem lojinha para venda e degustação. Estrada de Paraty-Cunha, km 8. Penha/Paraty. www.engenhodouro.com.br
ALUGAR UM BARCO para conhecer a Baía de Paraty com suas quase 50 praias paradisíacas e natureza exuberante. Você pode contratar um passeio de escuna ou alugar um barco só para você, diretamente no cais, ou nas agências de turismo.

As charretes fazem ponto em frente a Igreja da Matriz.
VILA DE TRINDADE - fica a apenas 25km de Paraty e exibe uma natureza de cair o queixo, com praias e cachoeiras. Dizem que piratas sanguinários esconderam seus muitos tesouros na areia da praia. E prometeram, um dia, voltar.
CACHOEIRAS - são dezenas, mas vale conhecer a Pedra Branca - fica em propriedade particular, mas a visitação é permitida. Acesso pago pela Ponte Branca e 4km de caminhada. Tem quedas d´água e piscinas naturais. O Poço dos Ingleses é uma piscina natural de água transparente, que fica no meio do caminho da Pedra Branca, 
PARATY SPORT AVENTURA - é o maior parque de arvorismo do Brasil.
ILHA DOS PELADOS - é linda. Barquinhos saem da Praia São Gonçalo, com acesso pela BR101.
ILHA DO ALGODÃO - ótima para mergulho, mas não tem praia, só atracadouros naturais. Ali fica o Restaurante do Hiltinho, famoso pela comida deliciosa.
ILHA COMPRIDA - é um aquário natural, também não tem praias. Os passeios de escuna sempre param ali para os passageiros darem um mergulho.
TRAVESSIA DA JUATINGA - é a trilha mais bonita de Paraty. Começa em Laranjeiras e o percurso é longo, mas pode ser feito por partes. O mais cansativo é entre Ponta Negra e o Pouso da Cajaíba, 6h de caminhada. Dá para dormir em Cajaíba e voltar de barco alugado.
JEEP TOUR - passa por cachoeiras, alambiques e pelo caminho do ouro. Sai diariamente a partir das 10h. O passeio dura 6h. Pela Paraty Adventure - (24) 33716135.
A PARATY ADVENTURE também faz passeios de escuna, mountain bike, cavalgadas, mergulho, entre outras atividades. 

PRAIAS:
são centenas, cada uma mais linda do que a outra, de acesso mais ou menos difícil, por barco, carro ou caminhada.

Rancho - situada na vila de Trindade é ótima para banho.
Cepilho - ótima para surf.
Brava - acesso por trilha de 20 minutos.
Laranjeiras - com acesso restrito fica dentro de um condomínio. Um lago e uma pequena queda d´agua no canto esquerdo. 
Sono - acesso por trilha de 50 minutos a partir da Vila do Oratório. Praia de areia fina e águas límpidas.
Antigos - paradisíaca. Acesso por trilha de 20 minutos a partir da praia do Sono.
Ponta Negra - selvagem, perto da cachoeira do Saco Grande. Acesso por trilha de 45 minutos a partir da praia dos Antigos.
Martins Sá - selvagem com mar bravo é ótima para surf. Acesso por trilha de 50 minutos a partir da praia do Pouso.
Paraty-mirim - antigo porto de desembarque de escravos, o acesso é por estrada de terra que começa no km 593 da Rio-Santos. São 10km de asfalto desde Paraty e 8km de estrada de terra. A Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que fica na praia, é datada de 1746.
Pontal - fica no centro e não é apropriada para banho. Vale apreciar o visual e tomar uma caipirinha.
Grande - numa vila de pescadores tem pousadas, bares e barcos que saem para a Ilha Araújo, em frente.
Prainha da Grande - pequenininha, tem acesso pela Grande numa trilha de 5 minutos.
Tarituba - é uma graça, fica numa vila de pescadores. Tem 2 córregos que cortam a praia e um pier onde atracam barcos de pesca. Acesso pela BR101.
Mambucaba - já está urbanizada, mas ainda é uma praia bonita. Acesso pela BR101.
Praia de Mambucabinha - de areia branca e águas transparentes tem uma igreja no meio da praia. Acesso pela BR101.

ONDE FICAR:

O melhor lugar para se hospedar é no Centro Histórico. Ali as pousadas são mais caras, mas é onde está concentrada a maioria das atrações. Durante a semana os preços podem chegar quase à metade.

As pousadas do outro lado da ponte, que atravessa o Rio Perequê-Açu, ficam bem perto do Centro Histórico, você só vai andar um pouquinho, o que não é sacrifício, o lugar é lindo. Ali, os hotéis oferecem preços mais convidativos. E são dezenas, de todas as categorias. Vale a pena pesquisar.

Evite ficar nas pousadas fora desses dois lugares, a cidade "moderna" é muito feia, caótica, nada a ver com o que você espera para seus dias de lazer.

Pousada do Ouro - super bem localizada, é um lindo casarão do século 18 com comentários excelentes dos hóspedes. O preço é bem salgadinho, mas, dependendo da época, pela internet, se consegue um valor razoável. Rua Dr. Pereira, 145. Telefone: (24) 33714300. www.pousadaouro.com.br
Pousada Pardieiro - também com ótima localização é considerada uma das melhores pelos viajantes. Rua do Comércio, 74. Telefone: (24) 33711370. Cara.
Pousada Arte Urquijo - indicada pelo blogueiro Ricardo Freire, do Viaje na Viagem, é um casarão do século 18 com visual panorâmico da baía de Paraty.  Rua Dona Geralda, 79. Telefone: (24) 33711362. www.urquijo.com.br. Preço médio.
Pousada Literária - antigo Hotel Coxixo é a pousada oficial da FLIP. Preço bem salgadinho. Rua do Comércio, 362. (24) 33711460. www.hotelcoxixo.com.br.


EVENTOS:

FLIP - na primeira quinzena de julho se realiza um dos mais importantes festivais literários do país. A cidade fervilha durante os 4 dias da feira, com os mais importantes escritores nacionais e internacionais. É a oportunidade para assistir a palestras e conviver com o melhor da literatura. Além dos shows de artistas consagrados como Chico Buarque, Maria Betania e Paulinho da Viola. Reserve com muita antecedência.
FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA - ainda em projeto, pretende restaurar o cinema da cidade que está desativado há 40 anos, localizado na Praça da Matriz.
FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOTOGRAFIA - profissionais brasileiros e estrangeiros ligados à arte da fotografia mostram seu trabalho e promovem discussões e debates com participação do público.
TOBE - o Evento Internacional de Terapias Orientais transforma a Praça da Matriz em um bazar oriental durante os 3 dias do festival.
FESTA DO DIVINO - começa 50 dias depois do domingo de Páscoa e dura 10 dias. É uma das festas mais animadas de Paraty, com gente do mundo inteiro que vai até lá para ver as procissões, apresentações de dança, bandas, folias. A cidade toda se enfeita para o evento.
FESTIVAL DA PINGA - no terceiro final de semana de agosto são expostos os equipamentos usados no preparo da pinga e os alambiques promovem degustação de seus produtos. Comidas típicas, danças, shows de música, palestras, animam ainda mais a festa. No estacionamento, ao lado da Praça da Matriz.
FESTIVAL GASTRONÔMICO - nos finais de semana e feriados de Abril. Os chefs dos melhores restaurantes da cidade criam pratos especiais com peixes e frutos do mar com preços prá lá de convidativos. www.paratycvb.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe sua opinião conosco! Deixe seu comentário e sugestões, nós vamos adorar!